Chacota, zombaria, deboche | Fábio Campana

Chacota, zombaria, deboche

Por Mary Zaidan, VEJA

Paraíso da piada pronta, o Brasil definitivamente não é para iniciantes. Embora as frases-clichês não careçam de confirmação, o PT foi além da anedota ao relançar a candidatura do ex Lula, preso por corrupção e lavagem de dinheiro, para o Nobel da Paz de 2019. E o fez no mesmo dia em que a Lava-Jato prendia mais petistas, desta vez enrolados com a construção da Torre Pituba, sede da Petrobras em Salvador, obra orçada em R$ 320 milhões que, pelo milagre da corrupção, devorou R$ 1,2 bilhão.

Poucas horas depois, a Comissão de Valores Mobiliários denunciou a presidente cassada Dilma Rousseff, pupila e sucessora do ex, e outros 16, por irregularidades – termo sofisticado para roubalheira – na construção de Abreu e Lima, em Pernambuco, o mais caro complexo de refino do mundo.

Iniciada em 2005, a planta custaria U$ 2,3 bilhões, 40% vindos da PDVSA do então presidente da Venezuela Hugo Chávez. Bateu nos U$ 20 bilhões e ainda foi surrada pelo calote do companheiro bolivariano que nunca colocou nela um único centavo.

Sozinho, o descalabro Abreu e Lima deveria ter sido suficiente para punir toda a turma petista, incluindo o ex Lula e a presidente cassada, que dirigia o Conselho da petroleira quando a transação foi feita e, depois, avalizou as obras multimilionárias como mandatária maior do país.

Encravada em Suape e com pendências ambientais sérias, tem capacidade de processar cinco vezes menos do que a indiana Jamnagar, mas custou três vezes mais e opera com metade de sua capacidade. Tudo que a Petrobras quer é se livrar dela.

Na fantasia entabulada pelo PT, os bilhões afanados da maior estatal brasileira são pura perseguição. Nessa cantilena valem os números do resgate social que o PT alega ter sido feito por Lula entre 2003 e 2010, base da petição para que o ex receba o Nobel. Por óbvio, os petistas não falam dos anos Dilma, e muito menos que a miséria cresceu 25% entre 2012 e 2016, reflexo da gastança desvairada e de políticas públicas irresponsáveis.

O PT sabe das chances reduzidas do ex na Noruega. Mas pretender a indicação ao Nobel é mais um lance de marketing para reforçar o discurso de vitimização, falar com a militância, mobilizar mídia e agentes internacionais, e, principalmente, insistir na farsa de que Lula é um preso politico.

Zombaria pura.

Isso na mesma semana em que um único juiz supremo tentou soltar Lula e com ele quase 170 mil criminosos condenados, e outro da mesma Corte revogou uma Medida Provisória do presidente da República, torrando quase R$ 5 milhões que o país não tem.

O Brasil mais do que merece a pecha de que não é um país sério. Togados e até presos debocham dele.

Mary Zaidan é jornalista. E-mail: zaidanmary@gmail.com Twitter: @maryzaidan


3 comentários

  1. domingo, 23 de dezembro de 2018 – 20:04 hs

    GERAÇÃO DE CHUPETAS DA CABEÇA,KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!

  2. SERGIO SILVESTRE
    domingo, 23 de dezembro de 2018 – 23:37 hs

    Ela votou no Bozo,depois vamos cobrar dela .

  3. troll
    segunda-feira, 24 de dezembro de 2018 – 17:32 hs

    KKK andou abusando do mé SS, jornalista da Foice não vota no “Bozo”. Mas isto você já sabe, só está sendo coerente. Não conheço pestista que goste de reconhecer que já eram.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*