AI 5, 50 anos depois | Fábio Campana

AI 5, 50 anos depois

Fábio Campana

Jair Bolsonaro gosta de repetir que pretende fazer o Brasil semelhante ao de 50 anos atrás. Ou seja, o do final de 1968. Em 13 de dezembro, há 50 anos, o país vivia um momento histórico decisivo. A ditadura militar que se instalara em 1964 deu novo golpe, editando o Ato Institucional número 5 e acabando de vez com a vigência de qualquer legislação que pudesse proteger brasileiros e brasileiras da violência, do arbítrio, da ignomínia em série cometida pela ditadura.

Entramos em 1969 sob uma ditadura militar, que os fanáticos da direita burra negam com a mesma convicção dos que contestam o Holocausto, o aquecimento global, a esfericidade da Terra, a morte de Elvis Presley e a inexistência de Papai Noel.

Mais estranho ainda é perceber que muita gente sente nostalgia por um tempo que não viveu. Conheço algumas pessoas que considero acima da linha da bestialidade, que lamentam não terem vivido nos anos de chumbo. Não é o caso de Bolsonaro, que já era vivo em 1969. Mas tinha apenas 14 anos quando tudo aquilo aconteceu, sem ele se dar conta. Enfrentávamos o tacão do AI-5 e testemunháramos a invasão do Teatro Ruth Escobar pelo Comando de Caça aos Comunistas, que depredou o cenário e espancou o elenco do musical Roda Viva, de Chico Buarque.

Ora, pois, vejam como eram as coisas. Em vez de punir os celerados do CCC, a ditadura proibiu o espetáculo, “degradante e subversivo”, na tacanha avaliação do censor Mário F. Russomano. Outra deplorável lembrança: há 50 anos o Teatro Opinião, no Rio, sofreu um atentado à bomba, executado pelos mesmos boçais do CCC.

Pois bem a partir daí tudo piorou. Depois de uma Junta Militar nos enfiaram goela abaixo outro general – o pior de todos: Emílio Garrastazu Médici. Horror. Vi de perto a violência. Senti na carne a tortura, a prisão, a censura, o medo permanente de uma prisão ou de um sumiço. Por tudo isso, a hipótese de voltar 50 anos no tempo é muito sinistra. Podre. Execrável.

Daquele tempo tenho saudades da juventude, da resistência, das utopias, da camaradagem, dos amores, da arte e da sensação messiânica de que estava no mundo para ajudar a salvá-lo. E sou tomado pelo pânico quando alguém diz que gostaria de voltar ao regime fardado. Eu que acreditava que a esta altura já não existiriam brutos dessa catadura, percebo com amargura que ainda estamos na pré-história da espécie e que os liberticidas são absolutamente majoritários neste Brasil brasileiro. E que a besta pode ressurgir a qualquer momento diante de nós.


10 comentários

  1. claudio
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 – 17:25 hs

    A DITADURA FOI RUIM? FOI, PARA OS COMUNISTAS .

  2. Diego
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 – 17:25 hs

    Direita burra? Que houve uma ditadura neste país, não há nenhuma dúvida. Mas burro é quem defende categoricamente que existe o aquecimento global e que é causado pelos seres humanos. Não há nenhuma comprovação comprobatória, e esse tema é altamente questionado no campo científico e não há nenhum consenso sobre o assunto.
    Pior é misturar esses assuntos com o pose de quem não aceita ser questionado, exibindo ar de superioridade intelectual. Ou é desinformação, ou é ignorância misturada com arrogância.

  3. Valdi
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 – 18:55 hs

    Blog do Esmael,acho eu que recebia dinheiro do governo do PT,pois o blog so enalteçe o lula PT e só se fala mal do BOLSONARO,parece q tudo de ruim é culpa do BOLSONARO.aceita q doe menos ja era já acabou o Pt,graças a DEUS.

  4. HELVIO ALBERTO FIEDLER
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 – 18:58 hs

    Penso que os tempos são outros e a comunicação informal muito forte hoje em dia. Todos têm um celular com uma boa máquina e as coisas não são mais tão fáceis de esconder. Precisamos, sim, estar mais atentos ao que ocorre, saindo de nossa acomodação. Esta besta não volta tão cedo, a não ser que a gente queira.

  5. Gladiador
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 – 19:02 hs

    Bobagens. Tem mais dedo duro nesta historia do que torturado. Ou nao?

  6. SERGIO SILVESTRE
    quinta-feira, 13 de dezembro de 2018 – 22:41 hs

    Conheci o Medici quando estava no BGP ,era uma família simples com duas filhas na época uma da minha idade,e como o Campana,sei o que é ditadura.Todo poder sem alternância mesmo numa democracia se torna uma ditadura e nós aqui respirando liberdade fomos sugados por varios sistemas ditatoriais,um deles é a ditadura da justiça ,onde eles são a parte onipotente do sistema onde sai de suas cabeças coisas esdruxulas,sem cabimento,outra é da imprensa ,onde ela escolhe nossos modos de viver e até governos e parceiros na campanha,e por ultimo a ditadura monetária onde ps bancos são o Olimpo,onde Deuses gordos com ternos bem cortados seguram os 2% de ricos e classe média alta e os 98% de pobres.

  7. Mito
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 8:30 hs

    Parei de ler no termo “direita burra”.
    Espertos mesmo são os da esquerda. Espertos e corruptos.
    Não fosse os militares hoje seríamos uma Cuba , Venezuela ou coisa muito pior.
    Tem vídeos no YouTube relatando , por eles mesmos, qual a verdadeira intenção dos comunistas.
    Quem sabe, bom mesmo são as ditaduras comunistas que, mundo a fora, mataram milhões de pessoas.
    Mas ruim mesmo foi a “dtadura” brasileira que em 20 anos matou menos do que a violência mata em um dia no Brasil.

  8. Elton
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 9:39 hs

    Mito,
    Você não sabe o que está falando. Se soubesse não diria: “Não fosse os militares hoje seríamos uma Cuba, Venezuela ou coisa pior.” Quantos anos você tem mesmo? O Brasil chegou mais perto do que hoje é Cuba ou Venezuela, quando o governo militar, depois de tanta besteira que fez, entregou para o Tancredo, que morreu e assumiu o Sarney… naquela época deixaram uma inflação beirando os 3 dígitos, inflação de 95% ao mês, faltava de tudo na prateleira dos mercados. Éramos uma verdadeira Venezuela graças a incompetência dos militares que deixaram nas costas do Sarney…

  9. Mario
    sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 – 10:39 hs

    Ei Pessoal…. Alguém faltou a aula de Historia… Não é possível que tenha pessoas que defenda a Violência praticada por loucos em nome do Estado. Ditadura nunca mais !!!! …. Agora, idiotas podemos ter e até eleger…fazer o que??? é a Democracia…

  10. napoli
    sábado, 15 de dezembro de 2018 – 21:28 hs

    Que materia chinfrim . Toda informaçao distorcida que é passada à populaçao nao passa de trafico (crime) de “noticias”. Espero que em breve haja severas puniçoes para jornalista inescrupulosos. Os poucos tantos que se ferraram durante o governo militar fizeram por merecer. E quem diria heim Fabio, que a gente pensava que voce era um “espiao” dos militares na sala de aula, la na PUC da Rua XV de Novembro rsss

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*