Ratinho diz que folha de pagamento é "desafio" e aposta em diálogo | Fábio Campana

Ratinho diz que folha de pagamento é “desafio” e aposta em diálogo

De passagem por Brasília nesta quarta-feira (14) para um encontro entre governadores eleitos em outubro e o futuro presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), o próximo chefe do Executivo no Paraná Ratinho Júnior (PSD) admitiu que a folha de pagamento é um “desafio” e que pretende resolver a questão com “muito diálogo” com servidores. Relatório divulgado na semana passada pelo Tesouro Nacional coloca o estado entre as unidades da federação que desrespeitaram o teto de gastos com pessoal – 61%, ante um limite legal de 60%. As informações são Catarina Scortecci na Gazeta do Povo.

“É preciso muito diálogo. Acredito que hoje os próprios servidores têm consciência do limite orçamentário dos estados. O Paraná não é diferente, não somos uma ilha, temos nossas dificuldades. Apesar disso, comparado a outros estados, estamos com as contas controladas”, afirmou Ratinho à imprensa, na entrada do encontro, que foi articulado por outros três governadores eleitos em outubro, Ibaneis Rocha (Distrito Federal), João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro).

A dificuldade financeira dos estados, especialmente com a folha de pagamento, e a necessidade de um novo pacto federativo, é o ponto central do encontro, embora os articuladores dele tenham tentado dar ares menos pesados à reunião.


3 comentários

  1. quinta-feira, 15 de novembro de 2018 – 9:51 hs

    Pelo que assisti na reportagem, o Paraná não está na lista dos que ultrapassaram 60 por cento com pessoal. Mentira deslavada, em relação a a reportagem. Outra coisa, é acabar com as Ilhas de Castas existentes dentro do funcionalismo. Explica-se: O governo paga a um comissionado para exercer a mesma função do servidor estatutário, o absurdo de até quase 10 vezes mais…aí, não há Caixa que suporte.Que tal passar a régua linear hein ? Porque não se pagar o que o Estatutário recebe ao comissionado? E Poderes legislativo e Judiciário, porque são independentes em suas politicas salariais, ou seja, ascensorista que opera os elevadores do Poder Judiciário, ganha muito mais que o pobre ascensorista do Poder Executivo. E Deputados porque não recolhem Imposto de Renda e contribuição Previdenciária? Coitado do trabalhador, carrega todos eles nas costas.E as pensões de Governadores? Não vou nem falar……..rsrsrsr

  2. incitatus
    quinta-feira, 15 de novembro de 2018 – 11:39 hs

    KKK tanto Maria Louca quanto o Betinho nunca se preocuparam com o tamanho da folha de pagamento do Estado. Reajustaram os salários da tigrada funcionária sem medo de não ter de onde tirar a grana. Os gastos com salários nunca foram preocupação para os governadores, o povo que pague, se ficar sem investimentos o problema é do povo e não do governo

  3. loise
    quinta-feira, 15 de novembro de 2018 – 22:45 hs

    Não, sou servidor e minha paciência se esgotou com essa conversa do legislativo e o judiciário receberem a reposição constitucional e o governo vir com a conversa mole de não repor a inflação.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*