O caso sobre a cassação de Francischini | Fábio Campana

O caso sobre a cassação de Francischini

A confusão está formada na Justiça Eleitoral do Paraná. A Procuradoria Regional Eleitoral pediu a cassação do mandato de deputado estadual de Fernando Francischini, a cassação de seu diploma e inelegibilidade por oito anos.
A ação é motivada por denúncia de ilegalidades durante sua campanha. Ele foi para as redes para, segundo o texto, difundir notícias falsas sobre casos de fraude nas urnas eletrônicas para atrapalhar a eleição de Jair Bolsonaro. O texto também diz que as fake news impulsionaram a própria candidatura.
Francischini foi eleito com 427.627 votos.
O vídeo de 7 de outubro que motivou a ação ainda está disponível na página de Francischini: “Nós estamos estourando isso aqui em primeira mão pro Brasil inteiro para vocês. Urnas ou são adulteradas ou fraudadas. Com a ajuda do juiz eleitoral e do promotor eleitoral. A gente tá trazendo essa denúncia gravíssima antes do final”, disse ele.


6 comentários

  1. Zé Augusto
    sexta-feira, 30 de novembro de 2018 – 10:51 hs

    E se caso for cassado, aquela galera que foi “puxada” cai junto?

  2. ATLETA
    sexta-feira, 30 de novembro de 2018 – 14:43 hs

    Fique tranquilo, neste pais mentir , roubar e enganar o povo são os melhores caminhos para chegar ao sucesso

  3. bs
    sexta-feira, 30 de novembro de 2018 – 16:37 hs

    Como disse o Atleta nesse pais vale tudo, a ninguezada acredita nas bobagens que os políticos falam e os elegem, e os cidadão de bem acabam pagando junto essa conta. Lembram do Abadia ??

  4. Homero Pereira
    sexta-feira, 30 de novembro de 2018 – 22:02 hs

    Esse cara nao tem etica nenhuma…lancou uma enorme quantidade de fake news para alavancar a candidatura delebe do koiso baseado em mentiras e o povo idiota ..sem nocao..sem senso critico..verdadeiros analfabetos politicos acreditou…mas o tempo se encarregarah de mostrar a verdade.Parabens ao TRE do Pr…

  5. Diego
    sábado, 1 de dezembro de 2018 – 1:57 hs

    O deputado se utilizou da sua imunidade parlamentar para fazer uma denúncia e buscar a verdade dos fatos. Qual a ilegalidade? Nenhuma!
    Interessa-me saber por que diabos a procuradoria decide levantar algo tão absurdo.

  6. sábado, 1 de dezembro de 2018 – 9:05 hs

    Bah,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*