Continência aos idiotas | Fábio Campana

Continência aos idiotas

Ricardo Noblat,
Assim como eleição sem Lula não é fraude, continência não é sinal de vassalagem aqui e em parte alguma.
Desafetos do presidente Jair Bolsonaro alardeiam que ele foi submisso ao prestar continência a John Bolton, assessor de Trump, que o visitou em sua casa.
Bolsonaro é militar da reserva. Continência é uma saudação trocada no meio militar. O recruta presta continência ao capitão, que presta continência ao recruta. É sinal de respeito e de cortesia.
Outro dia, Bolsonaro bateu continência à Raquel Dodge, Procuradora-Geral da República. Ninguém o chamou de subserviente.
O ex-presidente Barack Obama já foi criticado por ter se curvado além do razoável diante do imperador do Japão. Trump, por ter apenas apertado a mão do imperador.
Chamaram Obama de submisso, e a Trump de arrogante.
Como se vê, a idiotice não tem fronteiras.


Um comentário

  1. Parreiras Rodrigues
    sábado, 1 de dezembro de 2018 – 19:57 hs

    A genuflexão – dobrar os joelhos, é, sim, sinal de subserviência. Fazemo-lo, nós católicos, diante do Santíssimo, de uma elevada autoridade eclesiástica quando beijamos o seu anel. Antigamente, os filhos se ajoelhavam diante dos seus pais, pedindo as suas bençãos.
    Já Lula, se ajoelhou diante de Evo Morales e Chaves.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*