O risco Venezuela não é de esquerda nem de direita, é do autoritarismo | Fábio Campana

O risco Venezuela não é de esquerda nem de direita, é do autoritarismo

Míriam Leitão, O Globo

A reação à declaração do deputado Eduardo Bolsonaro foi forte, pela grande probabilidade de eleição do seu pai, mas também porque o candidato sempre foi associado ao pouco apreço pelas instituições democráticas. O temor é de que a ida do seu grupo ao poder signifique o início de um processo de cerco à democracia, que na Venezuela do coronel Hugo Chávez começou pelo enfraquecimento do Judiciário. O risco Venezuela sempre esteve associado ao PT, e o partido fez por merecer, mas na verdade o perigo não é de direita nem de esquerda. É do autoritarismo.

A ameaça sobre a democracia atualmente não é a de um assalto. É a de ver seus pilares minados por atos de um governante populista e autoritário como foi Chávez. O ataque se dá por aproximações sucessivas e não mais como vimos nos anos 1960 no Brasil. Hugo Chávez tentou um golpe no estilo clássico, em fevereiro de 1992. Alegava ser contra a corrupção. Conseguiu o apoio de uma parte das Forças Armadas, mas fracassou. E esse Chávez é que recebeu elogios de Jair Bolsonaro. O coronel foi preso, indultado, mas, em 1998, chegou ao Miraflores pelo voto, dizendo que faria uma revolução socialista. E foi esse Chávez que recebeu o apoio do PT.

Ao contrário do que acha o PT, não existe ditadura do bem. É o que o chavismo mostrou. Fui à Venezuela em 2003. Havia uma greve geral no país, comandada por empresários, contra o governo. Eu o entrevistei no Miraflores. Era uma presidência militar. Ele vivia cercado de militares de alta patente em seu gabinete e ministério. O ambiente no Palácio me lembrou o clima do Planalto na ditadura brasileira. Chávez brandia a Constituição que acabara de aprovar. E depois mudou várias vezes. Ele já havia alterado a composição do Conselho Nacional Eleitoral. Depois fez o mesmo com a Suprema Corte. Perseguiu e fechou órgãos de imprensa. Sua escalada sobre a ordem constitucional se deu por mecanismos que pareciam democráticos: quando a economia melhorava, as benesses com o dinheiro do petróleo aumentavam, ele convocava um plebiscito. Os que perdia, não respeitava. Os que ganhava, aumentavam seus poderes e enfraqueciam um pouco mais a democracia venezuelana, até que nada restou dela. Mas o ex-presidente Lula chegou a dizer que havia “excesso” de democracia na Venezuela. O PT apoiou o regime venezuelano de diversas formas, fingindo não ver seu caráter cada vez mais autoritário. Jair Bolsonaro, que se identificara com aquele coronel impulsivo, passou a criticá-lo quando ele se definiu como socialista, mas nunca reprovou seus métodos antidemocráticos.

A inaceitável fala do deputado Eduardo Bolsonaro não surge do nada. Ela reflete o ambiente político no qual seu pai sempre esteve imerso, de defesa do regime militar. Era ele atrás do pai, repetindo em mímica, o nome do torturador homenageado durante o voto do impeachment. Essa é a sua formação. Quando ele diz “a gente até brinca lá…” Lá onde? Antes de dizer que “sem desmerecer” o cabo e o soldado, bastava mandar os dois para fechar o Supremo. No meio do caminho do cabo e do soldado tem a Constituição que completa 30 anos, que nos custou uma luta de décadas, mas o deputado Eduardo Bolsonaro sequer entende que é essa a força moral que impede dois militares sem patente de fechar o órgão máximo da magistratura. Por isso, o ministro Celso de Mello chamou-o de golpista — aqui sim a palavra faz sentido — e o ministro Dias Toffoli afirmou que atacar o Judiciário é atacar a democracia. Alias, petistas também falaram em reduzir poderes do STF.

Quando estive na Venezuela, falei com os dois lados em conflito, visitando inclusive famílias divididas. Os que se opunham ao chavismo alertavam que havia o risco de o Brasil virar uma Venezuela. As instituições brasileiras foram fortes o suficiente e impediram o primeiro movimento, quando o ex-ministro José Dirceu quis instaurar um órgão de controle da mídia. O PT permanece com esse item na agenda. Por outro lado, os métodos de Bolsonaro de defender a relação direta com o eleitor são os mesmos do chavismo. O populismo, de esquerda e de direita, sempre desmerece as instituições. Por isso é que o pai Jair Bolsonaro acha que basta “advertir o garoto”. Na fala do deputado Eduardo Bolsonaro há uma ameaça gravíssima. Foi um alento a reação forte do STF.


19 comentários

  1. Willian
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:12 hs

    Essa Mirian Leitão é uma ex-terrorista e ptralha disfarçada, porque ela se calou quando Vadi Damous e José Dirceu falaram claramente em fechar o STF?????

  2. Marcão
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:24 hs

    Comentário vindo de uma bandida terrorista…. kkkkkk

  3. romualdo carignano
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:31 hs

    Para de falar besteira. Pede aposentadoria.

  4. Dionleno
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:37 hs

    Quando li Miriam Leitão, parei…

  5. Joel
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:41 hs

    Eita comunista arretada sô, faz campanha para o Andrade dentro da emissora, fala sério, e depous disse que teve uma giboia entre as pernas na ” ditadura”…
    B17 eleito no domingo, senhores !

  6. João Carlos
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:42 hs

    Prezado Fábio:

    Há muitos anos sou leitor de sua coluna, desde a impressa na Gazeta do Povo, hoje acesso ao blog. Seus comentários sempre tiveram posicionamento político, mas pela sua conduta, independente do lado tomado, nunca me chocaram. Ao colocar matérias de “Mirian Leitão” que hoje é desacreditada por grande parte da sociedade, sua página fica marcada pela extrema esquerda, defendida pela pseudo-jornalista, e não obrigatoriamente pelo que me transmite a sua visão política.

  7. Veredicto
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:55 hs

    Com todo o respeito que a opinião dos outros merecem, mas cara colega Miriam, você raciocinou ao contrário. Quem buscava implantar uma Venezuela no Brasil era exatamente os vermelhos lulopetistas. Você está na contra mão da história, mas como acredito que seja um deslise da sua parte, vou continuar sendo seu leitor.

  8. troll
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:56 hs

    KKK mais uma mirando na codorna e acertando no cachorro. A global procurou pelo em ovo e encontrou. Tudo para ela é o que parece, mais um pouco e vai acreditar nas fake news contadas nos telejornais da TV em que trabalha.

  9. Veredicto
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 9:56 hs

    Com todo o respeito que a opinião dos outros merecem, mas cara colega Miriam, você raciocinou ao contrário. Quem buscava implantar uma Venezuela no Brasil era exatamente os vermelhos lulopetistas. Você está na contra mão da história, mas como acredito que seja um deslize da sua parte, vou continuar sendo seu leitor.

  10. j silva
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 10:03 hs

    autoritarismo com super mercado abastecido-o Pais funcionando- a segurança ativa -os alunos estudando e nao fazendo da sala um verdadeiro bordel-q venha o autoritarismo dna mirian e nao a maravilha do seu partideco esquerdalha

  11. Osnir
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 10:40 hs

    O País esta a beira de um fascismo, infelizmente essas declarações bombásticas do Eduardo Bolsonaro mostra aos poucos como será o governo Jair Bolsonaro, pessoas de pouco apreço as instituições democráticas, ou melhor, a Democracia num todo. Lamentável tudo isso que estamos vivendo.

  12. Edson
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 11:10 hs

    É gozado, né? Há algum tempo o deputado petista Wadih Damous disse a mesma coisa, só que de maneira mais grave! Porém ninguém falou nada, nem mesmo algum ministro do STF e nem a imprensa. Agora, porque o filho do Bolsonaro, moleque sem experiência falou uma asneira, em tom muito menos significativo, pau no Bolsonaro! Por quê não meteram o pau no Lula, PT, Gleise, Haddad naquela época?

  13. Mimi
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 11:11 hs

    Não é o autoritarismo, é a M. que o povo vive!!

  14. terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 12:22 hs

    Essa Miriam Leitão é muito parcial, pra mim não tem credibilidade….

  15. Rogério
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 13:11 hs

    Chega de espernear imprensa esquerdista, pelo menos o Bolsonaro não é contra a lava jato e não vai nomear postes para compor o STF, sendo cogitado pessoas ilibadas , com saber notório, já os petistas querem terminar de aparelhar os órgãos de justiça pra poderem se locupletar das estatais sem serem incomodados. Chega desse governo corrupto , mudança já, B17.

  16. terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 13:15 hs

    Bem vindos estes dias com o possível retorno da direita ao poder. Retorna a Jornalista Miriam Leitão ao seu papel de jornalista e não de militante, muito embora ainda tendenciosa. Não se pode esquecer que o Dep. petista Wadih Damous também fez a citada ameaça ao STF, e nada foi feito contra ele. Ameaças graves a democracia de ambos os lados, com certeza, mas demos nomes aos bois, para não ficar feio. Além do mais, cabe frisar que o PT não só simpatiza com governos totalitários e ditadores da Venezuela e tantos outros, como os financia.Toda a ameaça a democracia deve sim, ser rechaçada, e no jornalismo deve prevalecer a seriedade de informar tudo, seja de que lado venha o perigo, sem atenuantes. Lula e Dilma colaboraram para a implementação destas ditaduras. Ponto.

  17. Do Interior...
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 14:13 hs

    Deixa o homem trabalhar…..

  18. Bozonazi
    terça-feira, 23 de outubro de 2018 – 17:20 hs

    Veredicto,
    Não sei quantos anos vc tem, mas pelo seu comentário, deve ter menos de 35 anos. Qual o seu medo do Brasil votar uma Venezuela? Sabe dizer se na Venezuela está no poder militares ou comunistas? Vc sabe me dizer qual a inflação deixada pelo governo militar ao presidente Sarney? Algo em torno de 100% ao mês! Já ouviu falar em fiscal da Sunab? Ou vc não sabe do que fala ou não tem a capacidade de estudar ou recordar de um passado recente de inflação e recessão deixado pelo governo militar que, muitos loucos de plantão idolatram e dizem que foi o período mais próspero do Brasil! O período em que o Brasil mas se pareceu com o que hoje é a Venezuela foi justamente logo após os militares entregarem o governo depois de terem demosntrado sua total incapacidade na gestão pública! A corrupção está aí como um reflexo da desmoronamento das instituições democráticas para camuflar seus desmando e subserviência aos EUA! E tem gente que, se valendo de notícias fantasiosas, as fake news, acham que no desgoverno militar não teve corrupção! Se vc não pode nem fazer uma manifestação em público bem discordar do governo pra não ser torturado! Acha que vai se meter a apontar corrupção desse governo autoritário? O Brasil é bem mais do que essa polarização ridícula entre Bolsonaro e PT. Vc conhece o PSL?

  19. lessa
    quinta-feira, 25 de outubro de 2018 – 11:39 hs

    Os sonsos alertam para o perigo de estarmos à beira do fascismo … só rindo mesmo de tanta hipocrisia! Eles sabem muito bem que, a esta altura, estar à beira de qualquer coisa já é uma esperança para um país atolado no fundo de um poço de m. produzida pela corrupção que está no DNA da quadrilha formada pela fraternidade dos companheiros petralhas.

    Míriam Leitão já era! Não merece ser lida e menos ainda comentada. Não se dá ao respeito intelectual e merece um solene desprezo. Ela é um retrato escarrado do atual padrão globo de televisão.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*