Moro vai pensar na proposta de Bolsonaro | Fábio Campana

Moro vai pensar na
proposta de Bolsonaro

O juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, sinalizou nesta terça-feira, 30, ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), sobre eventual convite para chefiar o Ministério da Justiça ou para integrar o Supremo Tribunal Federal (STF). Em nota oficial, o magistrado declarou que ‘caso efetivado oportunamente o convite, será objeto de ponderada discussão e reflexão’.

“Sobre a menção pública pelo sr. presidente eleito ao meu nome para compor o Supremo Tribunal Federal quando houver vaga ou para ser indicado para Ministro da Justiça em sua gestão, apenas tenho a dizer publicamente que fico honrado com a lembrança. Caso efetivado oportunamente o convite, sera objeto de ponderada discussão e reflexão”, afirmou Moro.

A interlocutores próximos, Moro tem dito que se, de fato, for convidado para o Ministério da Justiça, vai inicialmente conversar com Bolsonaro para identificar ‘convergências importantes’ e ‘divergências irrelevantes’.

O juiz da Lava Jato acredita que no Ministério da Justiça poderia adotar ‘boas iniciativas’. Depois, eventualmente, seguiria para o Supremo, quando surgisse uma vaga na Corte máxima.

Nesta segunda-feira, 29, em entrevistas concedidas ao SBT e ao Jornal Nacional, da TV Globo, Bolsonaro afirmou que pretende convidar Moro para a pasta da Justiça em seu futuro governo ou ainda para ocupar uma vaga no Supremo.

“Pretendo conversar com ele (Moro) para ver se há interesse da parte dele”, disse Bolsonaro em entrevista ao SBT. “Se eu tivesse falado isso antes (na campanha) soaria como oportunismo.”

Ao Jornal Nacional, o presidente eleito disse que Moro é um “grande símbolo” da luta contra a corrupção. “Poderia ser ministro da Justiça ou, abrindo uma vaga no STF, (escolher) a que achar que melhor poderia contribuir para o Brasil”. Aliados de Bolsonaro já haviam dito que Moro era cotado para ocupar futura vaga no STF. Esta é a primeira vez que o nome do juiz federal é citado como possível ministro.

À Coluna do Estadão, aliados de Bolsonaro dizem que a indicação de Moro para o Ministério da Justiça seria um atalho necessário para ele chegar ao Supremo. Um juiz de primeiro grau nunca foi alçado diretamente a ministro da Corte.

Esses interlocutores citam como exemplo o ministro Alexandre de Moraes. Antes de assumir a Corte, o advogado foi ministro da Justiça no governo Temer e Secretário de Justiça de São Paulo. O ministro Dias Toffoli, atual presidente do Supremo, também passou por um cargo relevante antes de ser indicado para a Corte. Toffoli foi Advogado-Geral da União, assim como o ministro Gilmar Mendes.

VEJA A NOTA DE MORO

Nota oficial

Sobre a menção pública pelo Sr. Presidente eleito ao meu nome para compor o Supremo Tribunal Federal quando houver vaga ou para ser indicado para Ministro da Justiça em sua gestão, apenas tenho a dizer publicamente que fico honrado com a lembrança. Caso efetivado oportunamente o convite, será objeto de ponderada discussão e reflexão. Curitiba, 30 de outubro de 2018.

Sergio Fernando Moro, Juiz Federal


3 comentários

  1. Edson
    terça-feira, 30 de outubro de 2018 – 19:59 hs

    Por favor Dr. Moro! Não caia na besteira de aceitar cargo político! Todos irão pensar que sua atuação na Lava Jato foi meramente política. É o que os adversários estão esperando! Seu lugar é no STF e logo o Sr. estará lá – se Deus quiser! Tenha um pouco de paciência e tudo será melhor! Por favor Dona Rosangela, converse com seu esposo e tire dele essa ideia. Não deixe ele aceitar cargo político!

  2. troll
    terça-feira, 30 de outubro de 2018 – 22:06 hs

    Não aceite Moro, primeiro ponha um ponto final na Lava Jato. Aí vira desembargador e depois ministro do STF. Depois desta maratona toda pode pensar em ser ministro da Justiça, não antes. Não se apresse, você tem muito ainda a fazer pelo Brasil

  3. Murillo
    quarta-feira, 31 de outubro de 2018 – 13:24 hs

    O presidente eleito Bolsonaro pode ser meio doido, mas não é burro. Moro é a melhor escolha no momento.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*