Ogier Buchi diz que enfrenta "luta de Davi contra Golias" | Fábio Campana

Ogier Buchi diz que enfrenta “luta de Davi contra Golias”

O advogado Ogier Buchi disse que não foi na reunião do TRE-PR desta segunda-feira, 20, para a divisão do tempo de propaganda no rádio e na TV porque, segundo ele, não estava sabendo e não enviou nenhum representante. “Minha candidatura foi registrada individualmente e eu não sei como que isso resultará em tempo de rádio e televisão. Eu não fui a esta reunião porque estou esperando o resultado do registro de candidatura”, disse ao Portal RIC.

Ogier Buchi afirmou ainda que tem passado por um mal estar com o partido ao qual se filiou no Paraná, o PSL de Jair Bolsonaro: “essa luta é de Davi contra Golias. O partido me convidou e depois me desconvidou, e eu não aceitei. Eu não vou aceitar o desconvite. Eu me filiei ao partido porque acredito nas propostas. Eu serei, sim, candidato”. Ele vai além e garante: “continuo pedindo voto para o Bolsonaro. O coerente nisso sou eu.”

Buchi acrescentou que oficialmente o partido ainda não se manifestou. Ele percebeu que a documentação para o registro da candidatura dele não tinha sido juntado no prazo legal, então, foi pessoalmente e se registrou para a corrida eleitoral ao Palácio Iguaçu: “o partido [PSL[ não fez o registro e, então, fui lá e fiz. O partido não conversou comigo e eu não conversei com o partido”, alega.

Lei eleitoral proíbe a manobra

O professor de Direito Eleitoral do Centro Universitário Curitiba (UniCuritiba), Luiz Gustavo de Andrade, explica que no caso de o candidato ter sido escolhido em convenção partidária até 5 de agosto – que era o prazo legal – e o partido, por alguma razão não o registra, o candidato tem até 48 horas para fazer isso sozinho. Segundo o especialista, a lista pública divulgada no sábado (18) também possui essa finalidade porque “o próprio candidato confere o nome na lista. Caso não esteja, ele tem 48 horas para solicitar o registro”.

Andrade acrescenta ainda que após a convenção realizada não existe “desconvite”: “o partido já disse que quer [o candidato] porque escolheu ele em convenção. A maioria com direito a votos escolhe os candidatos e a direção responsável pelo registro não tem esse poder. Se fazem isso [deixar de registrar] pode ser interpretado como ‘sacanagem’. Então o candidato busca a justiça eleitoral com a ata da convenção”.

Esta é a segunda vez que Ogier Buchi é candidato ao governo do Paraná. Em 2014, o advogado concorreu ao Palácio Iguaçu pelo Partido Republicano Progressista. O Portal RIC Mais procurou o PSL para saber o posicionamento do partido e até o fechamento desta reportagem não obteve nenhum retorno.


5 comentários

  1. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 21 de agosto de 2018 – 10:01 hs

    Numa partida de voley, seria um levantador.
    Quem conhece o candidato de Campo Largo para lá?

  2. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 21 de agosto de 2018 – 10:02 hs

    Numa partida de voley, seria um levantador.
    Quem conhece o candidato de Campo Largo para lá?
    Como os times de futebol de Curitiba…

  3. terça-feira, 21 de agosto de 2018 – 10:20 hs

    Bah,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

  4. MIROSMAR
    terça-feira, 21 de agosto de 2018 – 13:10 hs

    O malandrão, sempre teve uma boquinha em todos os governos, ele e seus filhos nomeados em altos cargos do Estado. Em mais uma eleição agora pra garantir a teta no Futuro kkkkk

  5. Conto
    terça-feira, 21 de agosto de 2018 – 18:16 hs

    Passaram o conto do bilhete no Ogier e ele não caiu.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*