Eis a lista de 14 denunciados por fraude na licitação do transporte coletivo em Curitiba | Fábio Campana

Eis a lista de 14 denunciados por fraude na licitação do transporte coletivo em Curitiba

Do GS News

O Ministério Público Estadual denunciou 14 pessoas que fraudaram o processo de licitação para concessão das linhas do transporte coletivo de Curitiba, no final de 2010. Os denunciados são empresários do setor, advogados que atuaram na intermediação, e ex-diretores da Urbs que homologaram o processo. A licitação foi iniciada em 2009 pelo então prefeito Beto Richa e concluída em dezembro de 2010 por seu sucessor, o atual deputado federal Luciano Ducci.

Os denunciados são:

  • Marcos Valente Isfer, ex-presidente da Urbs, denunciado por associação criminosa e fraude a licitação;
  • Fernando Eugênio Ghignone, atual secretário de Estado da Administração e da Previdência (Seap) e ex-diretor de transporte da Urbs, denunciado por associação criminosa e fraude a licitação;
  • Luiz Filla, integrante da Comissão Especial de Recebimento, Análise e Julgamento da Licitação, denunciado por associação criminosa e fraude a licitação;
  • Dante José Gulin, empresário, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • José Luiz de Souza Cury, ligado ao consórcio Transbus, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Acir Antonio Gulin, empresário, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Rodrigo Corleto Hoelzl, ligado ao consórcio Pioneiro, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Julio Xavier Vianna Junior, ex-sócio de uma empresa de engenharia, associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Felipe Busnardo Gulin, empresário, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Antônio José Vellozo, integrante da equipe técnica da Setransp, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Guilherme de Salles Gonçalves, advogado, denunciado por associação criminosa, fraude a licitação e falsidade ideológica;
  • Marco Antonio Gulin, empresário, denunciado por falsidade ideológica;
  • Wilson Luiz Gulin, empresário, denunciado por falsidade ideológica;
  • Vergínia Luíza Macedo, ligada à família Gulin, denunciada por falsidade ideológica.

Autor da delação, o advogado Sacha Reck não está na lista de denunciados, embora tenha sido um dos  articuladores de licitações dirigidas não só em Curitiba, mas também em outras cidades do Paraná, como Guarapuava e Paranaguá.


11 comentários

  1. Tem mais
    sexta-feira, 13 de julho de 2018 – 21:14 hs

    E a turma do Fruet e do Ducci? Gregorio e Andriguetto? Tá tudo correto?

  2. izaias Meireles
    sexta-feira, 13 de julho de 2018 – 22:36 hs

    Só pra lembrar, que este fato, teve origem na CPI do transporte, o qual ocorreu no ano de 2013 na Câmara Municipal de Curitiba. O qual teve como presidente o vereador Jorge Bernardi. Na época ameaçado pela quadrilha, de morte. Enfim uma CPI que não terminou em pizza

  3. JÁ ERA...
    sábado, 14 de julho de 2018 – 6:50 hs

    E a farra continua… Quantos ainda estão com o “C” na mão preo-
    cupados em ser denunciados !? Este é o país da corrupção mesmo.

  4. veredito
    sábado, 14 de julho de 2018 – 9:47 hs

    O sistema carcerário do Paraná que determinar uma cela somente para a família Gulin, com direito a casinha de cachorro para evitar o tal de estresse”.

  5. antonio carlos
    sábado, 14 de julho de 2018 – 15:50 hs

    E daí, esta canalha um dia vai cair em cana ou só vai ficar na denúncia? Também quem precisa pagar é o Betinho e o Ducci, um porque começou e o outro porque terminou esta licitação fraudulenta. Lugar de bandido é na cadeia. O 51 já começou a pagar as culpas dele.

  6. sábado, 14 de julho de 2018 – 15:59 hs

    Bah,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

  7. Fernando Ghignone
    sábado, 14 de julho de 2018 – 19:27 hs

    No que diz respeito a licitação de Curitiba, a Urbs através do seu Presidente e do Diretor de Transportes, entregou o edital, com 52 dias de antecedência,para o MP, o TC e oTJ, solicitando que acompanhassem todo o procedimento. Tudo investigado por todos os órgãos de fiscalização e até mesmo pelo Nurce. Todos atestaram a lisura e a legalidade do certame. Este novo procedimento não se justifica. O promotor mistura uma série de outras investigações com a licitação de Curitiba. Absurdo.

  8. Ronaldo Kleber da Fonseca
    sábado, 14 de julho de 2018 – 21:56 hs

    Porque só agora? Na CPI presidida pelo Vereador Jorge Bernardi todos estes relatos do Sacha Reck foram fartamente apontados e entregues no relatório ao ministério público, ao prefeito Gustavo, no CADÊ e tudo ficou engavetado. Que tal desengavetar o relatório da CPI e fazer justiça ao brilhante trabalho realizado. Antes tarde do que nunca. Parabéns Jorge Bernardi e membros da CPI.

  9. Marco Rodrigues
    sábado, 14 de julho de 2018 – 21:57 hs

    Santo do pau oco esse Fernando, licitação bem hein época de eleição do senhor Beto Richa!!!!! Kkkkkkkk caixa dois na campanha

  10. Marco Rodrigues
    domingo, 15 de julho de 2018 – 15:33 hs

    Santo do oco este Fernando, licitação bem na época de eleição de seu Beto Richa!!!

  11. Língua de Krocodillo
    segunda-feira, 16 de julho de 2018 – 15:27 hs

    Tinham q investigar melhor a vida de um barnabé do Planejamento nos anos 80 e a sua vida de milionário nesse momento. Demorou mas caiuuu do jegue!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*