PCC usa doleiros e já fatura mais de R$400 milhões | Fábio Campana

PCC usa doleiros e já fatura mais de R$400 milhões

Estadão

A morte do líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, desencadeou uma investigação que descobriu novos segredos da maior facção criminosa do País. Documentos encontrados pela polícia revelaram parte da estrutura montada pelos líderes do PCC para o tráfico internacional de drogas, a lista de seus integrantes em cada região de São Paulo, nos Estados e em cinco países da América do Sul – Colômbia, Paraguai, Bolívia, Peru e Guiana. A inteligência policial tem provas da evolução das rendas do grupo e sua ligação com o primeiro cartel de drogas chefiado por um brasileiro: Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho.

Os negócios particulares dos líderes e da própria facção têm um faturamento estimado pela inteligência policial em, no mínimo, R$ 400 milhões por ano. Alguns policiais acreditam que esse número pode chegar a cerca de R$ 800 milhões, o que colocaria o PCC entre as 500 maiores empresas do País. Seu tamanho dependeria da quantidade de drogas que o cartel liderado por Fuminho e os líderes do PCC conseguem exportar nos Portos de Santos, Itajaí, Rio e Fortaleza. Estimativas conservadoras fixam em 1 tonelada por mês, enquanto analistas policiais consideram que esse número corresponde apenas ao movimento de uma semana.


8 comentários

  1. JÁ ERA...
    domingo, 3 de junho de 2018 – 10:04 hs

    O maior cancro do país são os políticos e as drogas, que na ver-
    dade são a mesma coisa. A grande tristeza é que jamais se acaba…

  2. PIMENTA PURA
    domingo, 3 de junho de 2018 – 10:06 hs

    O que o Brasil precisa é de um governante de Singapura. Não
    existe corruptos nem traficantes. Crime zero em todos os níveis
    porque matam todos…

  3. Caito Quintana
    domingo, 3 de junho de 2018 – 14:09 hs

    Me ditem orquestra adiantou a intervenção militar no Rio de Janeiro, se até

    agora só foi apresentada poucas prisões e mesmo assim feitas pela PM.

    Cadê a desarticulação das grandes organizações criminosas.

  4. Val
    domingo, 3 de junho de 2018 – 23:03 hs

    Caito

    Isso é pra INGLES ver.

    Unica soluçao por enquanto é NAO VOTAT EM QUEM É OU JA FOI POLITICO chega dos mesmo,vamos trocar todos.

  5. Professor Paulinho
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 8:55 hs

    Tenho feito o mesmo comentário há anos e aqui vou repetir, algumas décadas atrás o PCC era apenas mais uma organização criminosa no Brasil, mas o sistema organizacional deste grupo o transformou numa das maiores organizações criminosas do mundo. Ao longo dos anos o PCC financiou milhares de acadêmicos em jornalismo, administração e principalmente em direito e hoje estes profissionais atuam nas mais diversas áreas, são donos de empresas de fachadas para o crime, são políticos entre eles vereadores, prefeitos, deputados estaduais, governadores, deputados federais e senadores, vale lembrar que com certeza o PCC tem hoje até ministros indicados pela organização, isto sem falar delegados, promotores, juizes e desembargadores que atuam em todas as instâcias e estados. Vejam em que se transformou nosso país, onde os criminosos tem mais valor, mais importância que as vítimas, se um traficante for preso, advogados aparecem do nada nas delegacias antes mesmo da polícia concluir o Boletim de Ocorrência. Alguém duvida de algo que eu escrevi?

  6. FASCISTA DO BEM
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:26 hs

    PIMENTA PURA:
    ISSO MESMO SOLUÇÃO FINAL, EM SINGAPURA ACABOU-SE COM O TRAFEGO E COM 500 MIL PRESOS DAS PENITENCIÁRIAS .https://www.youtube.com/watch?v=VBihq8xt8VI

  7. segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:36 hs

    QUEM SABE, O PCC APRENDEU COM OS DONOS DE CARTÓRIOS NO BRASIL NÉ???KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!

  8. QUESTIONADOR
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:45 hs

    -Uma boa parte desse dinheiro, talvez, financie campanhas eleitorais e partidos políticos!!!
    -É a fome com a vontade de comer!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*