'Minha Casa Minha Vida' piorou cidades, diz urbanista | Fábio Campana

‘Minha Casa Minha Vida’ piorou cidades, diz urbanista

Para urbanista Ermínia Maricato, programa habitacional lançado nos governos petistas tornou cidades ‘ainda mais inviáveis’, expulsou mais pobres para ‘periferia da periferia’ e criou bairros vulneráveis ao crime organizado.

do G1, com informações da BBC Brasil

Maior programa habitacional da história do Brasil e uma das vitrines dos governos do PT, o Minha Casa Minha Vida (MCMV) piorou as cidades, agravou as dificuldades de acesso a moradia entre os mais pobres e criou bairros especialmente vulneráveis ao crime organizado.

A avaliação é de Ermínia Maricato, uma das mais experientes urbanistas do país e secretária executiva do Ministério das Cidades nos primeiros anos do governo Lula, antes da criação do programa, em 2009.

“Tivemos um movimento imenso de obras, mas quem o comandou e definiu onde se localizariam não foi o governo federal, e sim interesses de proprietários imobiliários, incorporadores e empreiteiras”, diz Maricato, que estuda o MCMV desde sua implantação e é professora aposentada da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP).

Em entrevista à BBC Brasil em sua casa na Vila Madalena, em São Paulo, ela afirma que conjuntos residenciais do programa erguidos longe dos centros urbanos levarão várias décadas para se integrar às cidades. “Esse investimento gigantesco, aliado a uma especulação de terras ciclópica, tornou as cidades ainda mais inviáveis no Brasil.”


6 comentários

  1. Antonio Calado
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 9:50 hs

    Fazenda Rio Grande é um exemplo disso. Porém, esse programa enriqueceu os políticos do PSDB que fizeram milhares de casinhas por aqui em condomínios e lugares impróprios. Propinas e mais propinas.

  2. HAMILTON CARDOSO
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:01 hs

    É facil falar isto, porque não analisam:
    Quem comprou a casa tá feliz
    Quem trabalhou de servente ou pedreiro estão felizes
    muitos bairros foram urbanizados
    e tantos outros.

  3. Luiz Carlos Flávio
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:29 hs

    Em Londrina no Vista Bela, com 2000 apartamentos foi construído longe de tudo e de todos, sem a mínima infra-estrutura, nada de rua pavimentada, escola, posto de saúde, nem um tipo de comércio, praticamente sem transporte coletivo. Mas alguém com certeza lucrou com a venda do terreno.

  4. Rossby
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:53 hs

    E todo esse ‘elogio’ ao programa vindo de uma petista de carteirinha…. imagine se fosse um programa de outro partido… tava queimando no mármore do inferno…

  5. Falido e sem teto
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 13:18 hs

    Minha casa minha vida, de miserável.
    Serviu para enriquecer ainda mais algumas empresas as custas de conjuntos mal localizados (na PQP), mal acabados (inacabados) e sem qualquer infraestrutura.Enriqueceram sobre a ignor^ncia e a miséria de seu povo.
    Mais um legado da quadrilha da PTzada.
    Mas tem muitos”empresários” candidatos que se beneficiaram e muito com essa m@%& de programa.
    E de diversas cores partidárias, indo da direita para a esquerda, sem preconceitos.

  6. antonio carlos
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 18:10 hs

    Pois é, as empreiteiras apareciam com os projetos lá na Caixa e ela ia aprovando sem se dar ao trabalho de saber aonde ficavam tais empreendimentos. E é isto o que a urbanista está dizendo? Entendi que sim. Os fiscais da Caixa, se é que ainda existem fiscais para este fim, dão o sinal positivo e a grana sai. . Então deu no que deu e não poderia ser diferente. Se com fiscalização a cosia já é um horror sem ela é que não poderia ser diferente. Agora é fácil falar mal deste e daquele, o mal já está feito.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*