Delfim Netto, de uma ponta a outra | Fábio Campana

Delfim Netto, de uma ponta a outra

No dia 1º de março de 1984 a Embaixada dos Estados Unidos encaminhou para o Departamento de Estado, em Washington, um telegrama. O conteúdo tratava de falcatruas na ditadura militar do Brasil. Um dos nomes citados, era Delfim Netto, o mesmo que a Lava Jato acusa de fazer parte do “departamento de propinas” da Odebrecht, levando R$ 240 mil; e que na Operação Bona Fortuna é investigado por ter recebido vantagens indevidas nas obras da Usina de Belo Monte, no Pará.
De uma ponta a outra, Delfim está na vida pública do país: foi o homem-forte da economia durante a ditadura e se transformou em conselheiro econômico dos governos Lula e Dilma Rousseff.

(Foto: Agência Brasil)


4 comentários

  1. Moisés Fróes
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 19:08 hs

    Delfim, Lula, Dilma e PT, tudo a ver….todos os três, pilantras e ladrões.

  2. Aprigio Fonseca
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 20:04 hs

    Se algum ministro do Temer fosse ao menos o dedão do Delfin já seria uma pessoa honesta,mas tem idiota que nem sabe o que é história,

  3. FUI !!!
    terça-feira, 5 de junho de 2018 – 8:07 hs

    É impressionante como um cara como o Delfim ainda permanece
    alinhado com todos os passados dos governos e inclusive do Temer.
    Fez todas as tramoias, ficou ainda mais rico do que era e os seus
    palpites furados ainda continuam na moda…

  4. QUESTIONADOR
    terça-feira, 5 de junho de 2018 – 13:31 hs

    -O carcamano sabe de todas as nuances políticas, por isso, sempre está em cima da carne seca!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*