Após reforma trabalhista, arrecadação de sindicatos desaba 88% | Fábio Campana

Após reforma trabalhista, arrecadação de sindicatos desaba 88%

O “ ajuste fiscal” chegou também para os sindicatos. Depois da entrada em vigor da reforma trabalhista, em novembro, que acabou com o imposto sindical, as entidades viram sua arrecadação despencar 88% nos quatro primeiros meses do ano, segundo dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Enxutos, os sindicatos querem contornar o baque se mostrando mais atuantes junto aos trabalhadores e tentam compensar parte da queda de receita com a conquista de novos associados. As informações são do Estadão.

As mudanças nas leis trabalhistas drenaram recursos dos sindicatos. Apenas em abril, o volume total arrecadado pelas associações que representam trabalhadores foi de R$ 102,5 milhões – uma queda de 90% em relação ao mesmo mês de 2017.

Isso porque, com a nova legislação, em vigor há mais de seis meses, a cessão obrigatória do equivalente a um dia de trabalho, que era destinada a sindicatos, centrais e federações que representam as categorias, foi extinta. A contribuição ainda existe, mas agora é voluntária, e a empresa só pode fazer o desconto com uma autorização, por escrito, do funcionário.


6 comentários

  1. segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 9:32 hs

    Pois é. Estavam acostumados a viverem na vagabundagem e na pilantragem e agora vai ter que suar a camisa, como qualquer trabalhador, para ganhar um dinheirinho.

  2. BETO PRAIA
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 9:44 hs

    Do meu sofrido salário NÃO sai mais nenhum centavo pra sustentar esta corja de vagabundos.

    Mais de 5 cinco mil Sindicatos no Brasil pra que??? Pra esses pilantras tomarem vinhos, cachaça, comer churrasco e frequenta prostibulos com nosso sofrido dinheiro???

    Já ficou mais que provado que esses Sindicatos que ai estão NÃO representam a ninquém e pra nada servem a não ser pra fazer política pro PT.

    Vão trabalhar seus vagabundos

  3. segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:22 hs

    FIM;;;APROVADOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

  4. luis
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 10:27 hs

    Quero ver essa pelegada vagabunda morrer a minguá.

  5. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 12:00 hs

    O peleguismo criado na ditadura Vargas sempre se sustentou no imposto sindical que, apesar de verba pública, não se sujeitava à qualquer auditoria ou fiscalização dos órgãos de controle, servindo-se ao pagamento de lautos salários e mordomias régias para dirigentes sindicais, tanto de patrões quanto de empregados. Dirigentes de sindicatos e federações e confederações ganhando salários de dirigentes de multinacionais, acima de 60 ou 70 mil reais por mês. Falta acabar com a contribuição compulsória do sistema S que financia as federações e confederações patronais, que recebem uma régia taxa de administração cuja utilização também não se sujeita à fiscalização pública. Basta de pelegos!

  6. segunda-feira, 4 de junho de 2018 – 14:28 hs

    Vou elucidar essa discussão de vocês, esclarecer uns pontos: vocês são todos uns acéfalos. Pronto, agora tudo está ok. Podem continuar a defecar pelos dedos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*