Universidades suspendem aulas durante a greve dos caminhoneiros | Fábio Campana

Universidades suspendem aulas durante a greve dos caminhoneiros

A greve dos caminhoneiros completa uma semana, sem previsão de término, e alguns serviços seguem sendo afetados em todo o Brasil. Com a falta de combustíveis nos postos do Paraná, que compromete o transporte, universidades têm suspendido as aulas. As informações são do Paraná Portal.

Neste sábado (26), a Universidade Federal do Paraná (UFPR), maior instituição no estado, informou, em nota, que, de 28 a 30 de maio, o corpo docente, chefias de departamentos e direções setoriais terão autonomia para administrar as atividades acadêmicas e programar reposição de aulas, quando houver necessidade de suspensão.

A UFPR ainda informa que os servidores terão ponto facultativo até a “normalização da situação”. A decisão, segundo a universidade, está sendo avaliada permanentemente e a a comunidade deve ser informada sobre novas medidas que possam se tornar necessárias durante a greve.

A Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) suspendeu as aulas em todos os 13 campi por tempo indeterminado, a partir desta segunda-feira. Segundo a instituição, as atividades administrativas ficam facultadas para cada setor, conforme decisão das respectivas chefias.

Já a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) mantém as aulas suspensas em Curitiba, Londrina, Maringá e Toledo. No entanto, as provas do vestibular de inverno foram mantidas neste domingo (27).

A Universidade Positivo (UP) também segue com aulas suspensas “devido à crise de abastecimento de combustíveis, à paralisação dos caminhoneiros e à situação geral do sistema de transportes”. A instituição informou que não haverá aulas nesta segunda-feira (28) no campus sede e nas demais unidades da instituição em Curitiba, “sem prejuízo para os alunos quanto às atividades programadas para esta segunda-feira”.

A Universidade Tuiuti do Paraná cancelou as aulas e expediente a partir de segunda-feira. “Reafirmamos que nenhum aluno será prejudicado com relação ao conteúdo das aulas e caso surja qualquer dúvida, pedimos, por favor, que procurem pelos coordenadores de curso. Vale lembrar que as aulas voltarão assim que a situação se normalize. Só pedimos que fiquem atentos todos os dias aos nossos comunicados”, informa.

No Norte, a Universidade Estadual de Londrina (UEL) suspendeu as atividades na segunda-feira apenas, quando deve reavaliar a situação. “As atividades administrativas serão mantidas normalmente, com exceção do Restaurante Universitário (RU), que suspenderá as atividades por falta de mantimentos e outros materiais”.

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) suspendeu as aulas na sexta-feira (25) e manteve as atividades administrativas e demais serviços, até que a situação se normalize. A medida foi tomada por meio de um ato executivo assinado pelo reitor em exercício Julio Damasceno. O Restaurante Universitário também não está atendendo.

A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) mantém a suspensão de atividades acadêmicas e administrativas até a próxima quarta-feira (30). Conforme o calendário universitário de 2018, na quinta-feira (31) e na sexta-feira (1°), a instituição terá recesso acadêmico e administrativo, referente ao feriado de Corpus Christi.

A Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) também suspendeu as aulas, já na quinta-feira (24), e manteve atividades administrativas e serviços essenciais. A Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) suspendeu as aulas em Cascavel, Foz do Iguaçu, Toledo, Marechal Cândido Rondon e Francisco Beltrão. Também têm aulas suspensas a Universidade Estadual do Paraná (Unespar); Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP); Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), entre outras.

Os alunos devem entrar em contato com as instituições, públicas ou privadas, e ficar atentos aos meios de comunicação oficiais para mais informações.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*