Escárnio: "Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho?" | Fábio Campana

Escárnio: “Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho?”

Em entrevista para rádio Super Notícia de Belo Horizonte, Jair Bolsonaro comentou sobre as autorizações de execução dadas por Geisel:
Quem nunca deu um tapa no bumbum do filho e, depois, se arrependeu? Acontece.

(Foto: Google/Reprodução)


11 comentários

  1. Ein Sof
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 13:56 hs

    E isso foi tudo que ele tinha a comentar sobre o assunto?
    E tem gente que deseja ardentemente que este senhor seja presidente?
    Deixem de ser medíocres.

  2. RR
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 13:58 hs

    MATARAM POUCOS DESSES TERRORISTAS,MAS AINDA ESTÁ EM TEMPO DE VOLTAREM E TERMINAREM O SERVIÇO.

  3. glorioso
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 14:25 hs

    Os caras eram terroristas, sequestradores, quadrileiros, maconheiros e queriam o que? Que o Exército só observasse? Tem mais é que descer o pau mesmo, pena que acabou, se continuasse quem sabe estaríamos livres da corja que ainda está por aí? Tenho saudades do tempo em que se podia andar na rua sem ter medo de andar na rua.

  4. valdir bassai
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 14:40 hs

    Veja se naquele tempo tinha mst da vida e outros grupelhos vermelhos como vemos nos nossos dias.
    Só tinha gente boa (?) contra os militares.

  5. joão ct
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 14:55 hs

    Caro Ein Sof, assista a entrevista completa na página dele no facebook, lá ele contesta o “memorando” do agente da Cia e diz que não há provas!, E onde estão os 104 corpos? Isso nunca foi política de Estado nos governo militares! Nos EUA, Rússia, China e Europa, é política de estado eliminar terroristas em prol da sociedade, mas ninguém fala isso! Estão preocupados somente com Bolsonaro e os militares brasileiros patriotas!

  6. Sergio R.
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 15:01 hs

    Esse Ein qualquer coisa se acha no direito de chamar de medíocres quem pensa diferente numa democracia?.Deve ser um ser superior, o dono da verdade, aquele que tudo sabe. Uma bola de cristal ambulante.

  7. perguntar não ofende
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 15:21 hs

    EU

  8. Veredito
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 16:10 hs

    Estou com Bolsonaro e não abro e ainda levo junto meus familiares e amigos.

  9. RR
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 17:51 hs

    VEREDÍTO,estamos juntos,pelo país,pelas famílias e contra esses vagabundos que querem a corrupção no seu dia a dia.

  10. Luiz Eduardo
    sexta-feira, 11 de maio de 2018 – 21:39 hs

    Não quero sentir mais raiva deste país de bananas com a escória governando, por isso meu voto é BOLSONARO!

  11. Parreiras Rodrigues
    sábado, 12 de maio de 2018 – 7:37 hs

    Um censor em cada redação. Opiniões, denúncias, substituídas por receitas de bolo, pesquisadores procurando outros países porque a força não convive com a inteligência, uma total e completa subserviência aos EUA, afrontando a nossa soberania nacional, garantias individuais cerceadas, vozes de Oposição caladas – no Paraná, a de Alencar Furtado, desencadeamento de propagandas ufanistas e divisionistas – Brasil – Ame-o ou Deixe-o, Ninguém segura este país, obras faraônicas discutíveis – Itaipú – sepultou as 7 Quedas e inundou milhares de hectares das terras mais férteis do mundo, ocasionando inclusive o surgimento do Movimento dos Barrageiros, embrião do MST reclamado ai em cima pelo valdir bassai – Transamazônica, hoje quase que toda coberta de mata. E houve corrupção sim, ou se esquecem da compra pelo próprio Geisel da sucata da Westhinghouse coincidentemente alemã para instalar aqui o complexo de Angra I, II e III, justamente na época dos desastres de Chernobil, Three Mile Slands, esculhambando o paraíso de Itaorna – Pedra Podre em tupi, no litoral fluminense. Houve corrupção sim, ou se esquecem das negociatas do japinha das Minas e Energia, o Shigeaki Ueki, da portaria do Banco do Brasil que obrigava os agricultores a gastar 20 por cento dos empréstimos com agrotóxicos – Nestor Jost, o presidente, aquele que tinha enorme J desenhado no fundo da sua mansão em Brasília era acionista das mais produtoras de venenos – Pfizer, entre elas. Leiam: Viva a Corrupção, do jornalista maringaense, meu contemporâneo quando da fundação de O Diário em Maringá – 73, depois chefe da sucursal do Estadão em PA. Mataram poucos sim, mas intimidaram milhares, na base do “fica quieto ai no seu canto senão a borracha come”, Não confundir quem fazia Oposição escrevendo, discursando, com bandidos treinados em Cuba que aqui praticavam terrorismo não para combater a Dita Dura, mas para substitui-la pela de moldes castristas.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*