População não concorda com cargos vitalícios no STF, aponta pesquisa | Fábio Campana

População não concorda com cargos vitalícios no STF, aponta pesquisa

Levantamento exclusivo do instituto Paraná Pesquisa para o site Diário do Poder revela que 64,3% dos entrevistados apoiam a proposta de mandato de tempo limitado para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Destes, 81% defendem mandato máximo de 8 anos; 7,8%, preferem 10 anos; 1,9%, 12 e 15 anos, e 3,1% apoiam 20 anos. Confira abaixo os detalhes da pesquisa. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

De todos os entrevistados, apenas 25,7% concordam com a legislação atual de mandato vitalício (até 75 anos) para os ministros do STF. Entre brasileiros com escolaridade de nível superior, 71,1% apoiam o fim do sistema atual de mandato vitalício para ministros do STF. Só 3,6% dos entrevistados não opinaram sobre o mandato de ministros do STF. Na pesquisa de intenção de votos, esse índice vai a quase 8%.

O instituto Paraná Pesquisa ouviu 2.002 eleitores em 154 cidades de 26 estados e DF, entre 27 de abril e 2 de maio. Nº BR-02853/18/TSE.


16 comentários

  1. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 12:04 hs

    Pesquisas.
    Quáquáquá.

  2. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 12:06 hs

    Vou parar de comentar.
    Não vale a pena!
    Perco meu tempo e passo raiva.
    Bye bye!

  3. Lucão
    sábado, 5 de maio de 2018 – 12:36 hs

    Se não tivessem nada a esconder, não usuaríam essas capas de vampiros.

  4. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 12:42 hs

    Ah, mas eu não me contenho.
    Talvez eu vá falar besteira agora,mas eu me arrisco a isto.
    Este tipo de pesquisa mostra bem que já não estamos num regime democrático, mas num regime demótico.

    Quais as qualificações e conhecimentos dos entrevistados para opinar sobre tal assunto? A pesquisa perguntou a eles se eles sabem o que é o STF, o seu papel, como são indicados os ministros? A população, em nível geral, conhece estes detalhes, de modo a poder dar uma opinião sobre um assunto grave destes?

    O que eles querem, aparentemente, é que sempre haja renovação.
    Sério que eles sabem o que isso significa? Será que eles não vêem que estes ministros do STF são indicados por outro poder?
    E que quanto mais rotatividade houver, melhor para o executivo, que é quem indica os ministros? E para o legislativo, que é quem autoriza a nomeação no final das contas?

    Sério que estas pessoas pensaram em todas as consequências do que desejam?
    Sério que as pessoas acham que existem soluções simples (simplistas!) para problemas complexos? Basta um passe de mágica, e tudo funcionará a contento? Penso que o mundo real é bem mais complexo, e nele não há passes de mágica.
    E o que transparece na pesquisa é a superstição brasileira com os diplomados em cursos superiores, que vêm lá da época dos portugueses, com os bacharéis, com os ‘doutores’,etc.
    Um diplomado em curso superior, qualquer que seja, é tido como dotado de cultura e saber superiores, uma pessoa que deve opinar em todos os assuntos, pois deve ter razão, por ser diplomada.

    Errado.Um diplomado em curso superior nada mais é do que uma pessoa treinada para exercer uma determinada profissão. Não dá para tirar qualquer conclusão sobre o nível de informação destas pessoas em nenhum outro assunto. E muito menos sobre a sua cultura. A maioria dos tais diplomados mal conhece a área em que foi treinado.
    Pergunte a um magote deles o que eles leram, leem e pretendem ler. No máximo, a leitura deles resume-se a assuntos da área em que são (de)formados.
    Muito poucos, mas muito poucos mesmo, aventuram-se fora disso. Mesmo entre os (de)formados, o nível cultural é baixíssimo. Eu sei, pois convivi e convivo com este tipo de gente.
    Então, não venham querer dizer que este alto percentual de (de)formados dizendo a mesma coisa, significa que o que eles querem é a solução para todos os nossos problemas.
    Neste caso, parece-me que a emenda vai ser muito pior, mas muito pior mesmo, do que o soneto.

  5. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 12:53 hs

    Não que eu seja especialista em direito, direito constitucional, etc.
    Mas pelo menos eu tenho alguma noção do que o STF é, o que faz, como é indicado, etc.
    Por falar nisso, a pesquisa dá o número de entrevistados e de cidades.
    Dá uma média de 13 entrevistados por cidade.
    Ou seja, quer dizer que eles, aleatoriamente encontraram em cada cidade, 13 pessoas duma vez só, que tinham informação suficiente para opinar?
    Parece-me no mínimo improvável.

  6. Palpiteiro
    sábado, 5 de maio de 2018 – 13:04 hs

    Pesquisas são feitas para enganar trouxas. Há pesquisas de todos os gêneros e para todos os gostos, basta dirigir a pergunta certa que você condiciona a resposta. Se perguntarem se querem decapitar os corruptos dirão que sim e por aí vai. Povo é gado ruminando no pasto, esperando o matadouro.

  7. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 13:25 hs

    Se fosse uma pesquisa sobre assuntos sem quaisquer consequências, como a seleção, times de futebol, ou outros assuntos idiotas do mesmo tipo, que não influem na vida de ninguém (a não ser para pior, quando você tem que aguentar torcedores retardados), eu nem me daria ao trabalho de registrar minha manifestação.
    Mas este é um tópico com consequências amplas e graves.
    Por exemplo, não me sinto nem um pouco qualificado para diagnosticar e tratar, por exemplo, cânceres de pele. Então, fico quieto. Daqui a pouco todo mundo vai querer dar opinião até sobre isso, do jeito que a coisa vai.
    Agora qualquer zé-mané acha-se no direito de opinar sobre o que não conhece, e indicar soluções!
    Se eles têm este direito, então eu também tenho.
    Pelo menos o que eu tenho para dizer é um pouco mais embasado.

  8. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 13:49 hs

    Esse tipo de coisa faz-me lembrar do caso da fosfoetalomina.
    Os meios de comunicação fizeram um terremoto em cima do caso, alardeando a substância como a cura do câncer.
    Dando, até, em certos momentos, a entender que a indústria farmacêutica era contra por causa dos lucros que perderia caso fosse verdade, etc.
    Lembro de matéria populista no Fantástico falando sobre o assunto.
    Fizeram-se os testes clínicos. E eles foram completamente desapontadores.
    Cadê que a grande mídia veio fazer um mea culpa?
    Só deixo este recado: o mundo é complexo; talvez até existam soluções fáceis. Mas e o espaço de busca para achá-las?
    Vocês acham mesmo que um zé-mané qualquer (eu, por exemplo), pego aleatoriamente no meio da rua tem as soluções para os grandes problemas que afligem-nos no momento?
    Se fosse assim, seria maravilhoso. Pena que não seja.
    Vejam bem que não estou pontificando uma solução.
    Não conheço solução, e nem mesmo sei se há solução.
    Só posso indicar que o caminho mostrado não é uma solução.
    O que já é uma grande coisa.
    Não está bom, mas por favor, não escolham opções piores!

  9. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 13:50 hs

    Uma coisa a pesquisa mostrou: a maioria dos entrevistados não sabe do que está falando.

  10. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 17:24 hs

    Lucão, você escreveu:
    ‘Se não tivessem nada a esconder, não usuaríam essas capas de vampiros.’

    Deixe de ser burro. Uma coisa nada tem a ver com a outra.

  11. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 17:45 hs

    Mas, sinceramente, o que esperar de um país em que, num sábado à tarde, aparece uma Anitta falando besteira, mostrando seu talento musical inexistente, e ainda coroar a ‘obra’ falando que prefere compor música boa do que ter sucesso e ganhar dinheiro?
    Para mim, ela não compõe música; ela comete crimes contra a música.
    Anitta, foque no dinheiro, pois a estratégia ‘música boa’ não está funcionando (no sentido de gerar música boa).
    Nem fico surpreso com mais nada. Não deveria ficar.

  12. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 17:57 hs

    Para terminar, só digo:
    Opinião é que nem bunda, todo mundo tem.

    Mas será que todas as opiniões são igualmente dignas de ser levadas em conta?

  13. Ein Sof
    sábado, 5 de maio de 2018 – 18:19 hs

    onde lê-se ‘e ainda coroar a ‘obra’ falando que prefere compor música boa do que ter sucesso e ganhar dinheiro?’
    leia-se
    ‘e ainda coroando a ‘obra’ falando que prefere compor música boa do que ter sucesso e ganhar dinheiro?’

  14. Lucão
    domingo, 6 de maio de 2018 – 0:47 hs

    EIN SOF:
    Você comprou um espaço aqui no blog ou é puxa saco????

  15. domingo, 6 de maio de 2018 – 1:21 hs

    O certo seria um tribunal militar…pra curar estes vagabundo.

  16. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 12:23 hs

    Nem uma coisa nem outra, Lucão.
    Apenas peço para que as pessoas pensem nas consequências do que querem.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*