Pedido imoral | Fábio Campana

Pedido imoral

Nem a ‘crise no sistema’, principal argumento do governo para privatizar a Eletrobrás, impediu o presidente da empresa, Wilson Ferreira Júnior, de tentar dar um aumento a si mesmo. Queria que o salário passasse a R$ 77 mil.


3 comentários

  1. Uncle Joe 100
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 14:21 hs

    KKKK pedir aumento salarial não é pecado, pecado é conceder aumento para empregado de empresa em má situação financeira, isto sim é pecado.

  2. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 15:48 hs

    Ora, ele está afinado com as melhores práticas dos países desenvolvidos.
    Em um certo país não houve uma crise com hipotecas envolvendo hipotecas sem garantia nenhuma (alto risco), envolvendo até mesmo fraude pura a simples, tendo o risco empacotado e vendido como AAA,quando na verdade estas hipotecas deveriam ser cotadas como CCC- (usando definições de risco da S&P)?
    Não houve prejuízo colossal para quem resolveu investir no risco?
    Estas pessoas não ganharam quantidades colossais de dinheiro?
    Não receberam bônus fenomenais, depois de o governo ter de praticamente nacionalizar as empresas envolvidas?
    A economia mundial não foi colocada em risco?
    Ora, o presidente da Eletrobras, que tem prejuízo de alguns bilhões apenas, e nem mesmo coloca em risco a economia mundial, não merece ganhar um aumento?
    Não sejam malvados!

    É LÓGICO que estou sendo irônico.

  3. JUSTICEIRO
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 19:42 hs

    Ocorre que o salário pago a CPFL onde Wilson Ferreira era Presidente de cerca de R$ 150.000,00 por ser cargo técnico era muito superior aos pagos a um Ministro que é cargo político.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*