Fake news nas escolas | Fábio Campana

Fake news nas escolas

Entre 23 e 26 de maio, um grupo de especialistas em educação do Instituto Palavra Aberta fará um curso na Universidade de Coimbra. O lance é para aprender sobre um modelo adotado pela Comunidade Europeia de educação midiática e combate a notícias falsas.
O governo federal está a pensar na possibilidade de inserir o assunto no conteúdo curricular.


10 comentários

  1. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 14:31 hs

    A solução definitiva seria educar direito as pessoas, para não acreditar em cretinices. Pensamento crítico seria uma boa nova disciplina para colocar dentro das escolas…
    Por exemplo, ando recebendo inúmeras mensagens falando em tons apocalípticos de que notas carimbadas pelos petistas não serão mais aceitas,nem mesmo pelo Banco Central.
    Fora outros tipos de mensagens, por exemplo, uma delas dizendo que o Governo Federal deu dinheiro a terroristas na Palestina (quando na verdade o dinheiro foi para ajudar a reformar uma igreja que não tem nada a haver com terroristas).
    Estou pensando seriamente em começar a ser ‘grosso’ com tais pessoas que repassam cretinices.
    Sem comentários!

  2. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 15:13 hs

    E a internet não ajuda. Só piora. As pessoas ficaram ainda mais burras e propensas a acreditar em besteiras. E os meios de comunicação ajudam e muito…
    Acabei de entrar em uma página que falava sobre a crise no setor elétrico…Hospedada em um jornalão.
    Ao chegar no meio e no fim da página, olha o tipo de ‘anúncios’ que vi:
    – como ativar o cérebro que aprende (uma determinada disciplina) em (poucos) minutos
    – como multiplicar seu capital com estas ações
    – senhora local descobre a cura do diabetes
    – descubra como ganhar (quase 300,00) por dia sem fazer nada
    – dobre suas bitcoins
    – rapaz de (cidade do Brasil) ficou milionário em 3 meses
    etc.

    Olha, se uma pessoa acreditar em qualquer uma destas coisas, ela é uma pessoa burra e trouxa. O pior é pensar que o jornal é pago para exibir estas coisas.

  3. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 15:16 hs

    O que chamou mais minha atenção foi este: ‘Senhora choca médicos ao descobrir a cura para (uma doença)’.
    Choca médicos?
    Sério?
    Ela sabe mais medicina que todos os médicos do mundo então?
    Quando jornalões ganham dinheiro mostrando anúncios para enganar trouxas, o que você espera?

  4. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 15:35 hs

    Nem precisa ninguém fazer curso no exterior para combater fake news. Isto é overkill.
    Basta ensinar as pessoas a perguntar:
    Como? Por quê? Como? Para quem? Contra quem? A favor de quem?
    Ou seja, é só fazer com que os professores façam o que eles deveriam fazer, de qualquer maneira.
    E basta fazer com que a grande mídia pare de sabotar o pouco de raciocínio crítico que as pessoas possam ter, que foi o que ela sempre fez.

  5. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 15:39 hs

    E se um jornalão famoso, de grande circulação e com enorme público na internet (e fora dela), ganha dinheiro com tais anúncios, ele está tornando o clima mais propício à aceitação e crença em fake news.
    O tal jornal de que estou falando não é uma ‘Gazeta de Ipipoca da Serra do Sul’, com algumas centenas de exemplares impressos diariamente, e alguns milhares de pageviews por mês.
    No caso dos tais anúncios, é um jornalão nacional com centenas de milhares de exemplares impressos por dia e dezenas de milhões de pageviews por mês…

  6. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 17:41 hs

    Alguém tem uma pílula mágica para fazer com que a pessoa não analise tudo que passe pela sua frente?
    Se tiver, passe-me o nome, o médico que a receita, etc. Obrigado!
    Rs.

    Para acabar com fake news (e fake ads), basta analisar o que está na sua frente.
    Se eu posso fazer, outros podem.

  7. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 17:57 hs

    Já que o assunto é fake news, o que vocês pensam das notícias destacadas pela Globo agora de tarde:
    – cachorro passa atrás de jornalista falando do clima
    – primeira-dama Marcela Temer pula no lago do Alvorada para salvar cão
    ?
    Essas ‘notícias’ são tão ruins que podem ser consideradas no mesmo nível das fake news.
    Ruins por serem trivialidades idiotas que nem mesmo deveriam ser notícia.
    Mas… foram mostradas agora à tarde, na Rede Globo… como grandes notícias…No tal plantão do G1.
    E aposto que estarão no JN à noite. E no caso da notícia sobre a Marcela Temer, nos outros noticiários também.
    Logo depois teremos a notícia sobre a pesquisa ‘científica’ que nada diz de novo, a notícia sobre ‘estilo de vida’ que mostra obviedades e entrevista ‘especialistas’ para dizer o óbvio. Depois, aparecerão as notícias esportivas (esta parte dos noticiários eu chamo de ‘intervalo Homer Simpson’).
    Assista a um noticiário qualquer hoje à noite e observe o padrão.
    É um jornalismo ruim, muito ruim.
    E por aí vai. Muito do que passa por ‘jornalismo’ não é tão ruim quanto as fake news, por não propagarem mentiras (mas há exceções, e a verdade propagada é sempre parcial, pois não se mostra o contexto todo), mas é tão ruim em um sentido: é simplesmente vazio, não tendo nenhuma importância…
    Tem também as reportagens em que os jornalistas começam a falar de assuntos científicos dos quais não entendem nada e sobre os quais nem mesmo esforçaram-se para saber mais. Estas reportagens sempre começam com os âncoras falando ‘Os cientistas…’.
    Isso quando não inserem no meio da matéria jornalística propagandas dos próprios produtos da emissora (novelas, seriados idiotas, programação esportiva), que é simplesmente passar propaganda por jornalismo e chamar o ouvinte ou telespectador de idiota.
    Os problemas são muito maiores do que as fake news.

  8. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 17:59 hs

    Isso sem falar no momento ‘fofura’ que há em todo noticiário.
    Matérias sem sentido nenhum com animaizinhos fofos…
    Eles chamam isso de jornalismo!
    Cáspite!

  9. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 18:10 hs

    E só para terminar…
    Um extraterrestre que assistisse a um de nosso noticiários típicos chegaria à conclusão de que futebol e jogadores de futebol (e outros esportes) são assuntos vitais para todos os cidadãos, que mexem com as estruturas da vida das pessoas.
    Ele chegaria a pensar que as vidas,saúde ou doença, empregos, salários, e tudo o mais estão envolvidos neste assunto.
    E que celebridades idiotas (famosos por serem famosos) são também fatores de grande influência na vida de todos.
    Pronto, falei.

  10. Ein Sof
    segunda-feira, 7 de maio de 2018 – 18:18 hs

    Será que apenas Fake News são nosso problema?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*