A greve dos caminhoneiros minguou, mas há resistências | Fábio Campana

A greve dos caminhoneiros minguou, mas há resistências

A greve dos caminhoneiros perdeu força e apoios substanciais desde que o governo cedeu às reivindicações da categoria. De entidades como a Federação da Agricultura, representante do agronegócio, que desde domingo retirou seu apoio. O prejuízo do setor alcança bilhões.

Hoje cedo, 243 postos de Curitiba tinham combustíveis. O levantamento é do Sindicombustíveis, sindicato que representa os donos de postos do Paraná.

Mas há resistências do movimento. Boa parcela tem motivação política. Neste 10º dia de paralisação há manifestantes em várias estradas federais e estaduais do Estado. Há ordem para as forças de Segurança agirem energicamente para desobstruir as rodovias, auxiliando os motoristas que querem seguir viagem e estão parados sob ameaças. Caminhões do exército estaõ nas rodovias junto com policiais rodoviários federais para desocupara as estradas.


3 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 30 de maio de 2018 – 12:30 hs

    Resistência de bandidos e terroristas. Mas, as autoridades estão mais preocupadas em caçar bacanas de terno e gravata para mais uma entrevista coletiva, entre luzes e câmeras. Já, para caçar bandidos e terroristas o buraco é mais embaixo e dá dor de barriga.

  2. NA CORDA BAMBA
    quarta-feira, 30 de maio de 2018 – 13:11 hs

    Apesar dos desabastecimentos acho que esta greve era necessá-
    ria para que Brasília sentsse naquele lugar que a insatisfação é geral.
    Ninguem aguenta mais este país governados por incompetentes.
    Enquanto o povão burro corre atrás de postos de gasolina e com-
    pram alimentos superfaturados nós estamos caminhando para o
    enterro de nós mesmos… Estamos desperdiçando a única oportuni-
    dade que tivemos…

  3. BETO PRAIA
    quarta-feira, 30 de maio de 2018 – 13:21 hs

    Esta greve não esta mais sob a exige dos caminhoneiros.
    Quem esta no comando agora é o PT e o MST.

    Essa é a verdade.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*