50 milhões de aves mortas pelos bloqueios das estradas | Fábio Campana

50 milhões de aves mortas pelos bloqueios das estradas

O Antagonista

A Associação Brasileira de Proteína Animal, que representa os produtores de frango e de suínos, disse que mais de 50 milhões de aves morreram desde o começo da paralisação dos caminhoneiros. E 1 bilhão esperam os insumos parados nas estradas, publica a Folha.


6 comentários

  1. Loise
    sábado, 26 de maio de 2018 – 10:38 hs

    É a governadora aparelhando a greve!!!

  2. Ein Sof
    sábado, 26 de maio de 2018 – 10:58 hs

    Quem paga?
    Todo este prejuízo causado por alguns que acham que as leis de mercado podem ser paradas por meio de greve.

  3. Ein Sof
    sábado, 26 de maio de 2018 – 11:24 hs

    Façam a conta.
    2 quilos cada frango (acho eu).
    Multiplicado por 50 milhões…
    O frango a um preço de 3,99 o quilograma…
    Façam a conta e vejam o prejuízo.
    Mais um bilhão de frangos sem comida, que podem vir a morrer…
    Vai ter muito produtor indo à falência.
    Fora os outros muitos absurdos engendrados por esta palhaçada.

    A ralé seguidora de demagogias baratas irracionais não pensa nisso.
    Eles só pensam no imediatismo, no ser ‘contra’.
    País de merda.

  4. Ein Sof
    sábado, 26 de maio de 2018 – 11:25 hs

    Quando a greve realmente acabar, aposto que vão culpar o governo pelo aumento nos preços que fatalmente virá.

  5. Rogério
    sábado, 26 de maio de 2018 – 21:37 hs

    Parabéns a classe dos caminhoneiros, únicos que tiveram coragem de tomar uma atitude contra esse governo corrupto, incompetente,cheio de bandidos nos ministérios, protegidos por esse foro priviligiado, chega de trabalhar quase cinco meses pra pagar impostos pra manter esses vagabundos no poder, enquanto o povo recebe um salário mínimo de miséria. Intervenção militar já.

  6. domingo, 27 de maio de 2018 – 0:41 hs

    QUERO VER OS PREÇOS APÓS ACABAR A GRÉVE?? ALGUEM VAI PÁGAR E SEREMOS NÓS O POVO

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*