UE veta importação de carne de frango de atinge em cheio o Paraná | Fábio Campana

UE veta importação de carne de frango de atinge em cheio o Paraná

Banda B,
Os Estados-membros da União Europeia decidiram ontem por unanimidade descredenciar 20 unidades brasileiras exportadoras de carne, principalmente de ave, para o bloco. Em nota, a Comissão de Saúde e Segurança Alimentar da UE afirmou que a medida foi adotada em função de “deficiências detectadas no sistema de controle oficial brasileiro”. A decisão começará a valer 15 dias após publicação oficial.
O embargo atinge em cheio oito frigoríficos do Paraná, que é o maior produtor de frango do país, responsável por um terço da produção e exportação nacional. A BRF já anunciou que dará férias coletivas de 30 dias a cerca de 2 mil funcionários da linha de abate de aves do frigorífico de Toledo, no oeste do Estado, a partir do dia 2 de julho.
No rol estão 11 unidades da BRF, mais a sua subsidiária SHB, e oito de cooperativas e agroindústrias: Copacol, Copagril, Zanchetta, São Salvador, Bello Alimentos, Coopavel, Avenorte Avícola Cianorte e LAR Cooperativa.


5 comentários

  1. sexta-feira, 20 de abril de 2018 – 9:06 hs

    PARABÉNS AOS POLÍTICOS ENVOLVIDOS NA OPERAÇÃO CARNE FRACA!!!KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!TODO MUNDO COM ÁQUELA CARA DE PAU COMO SE NÃO TIVESSE NADA COM ISSO!!
    E AINDA ELEITORES SACOS DE BOSTAS E SEM MEMÓRIA, DANDO A MAIOR FORÇA NÉ???

  2. Lucas
    sexta-feira, 20 de abril de 2018 – 9:26 hs

    Quem sabe algum dia esse planeta abre os olhos e para de ser zumbi comendo animais mortos. O planeta agradece!

  3. PitBull
    sexta-feira, 20 de abril de 2018 – 11:05 hs

    Ao invés de corrigir nossos erros, vamos fazer representação na OMC…
    Quando nossos políticos vão criar vergonha na cara e fiscalizar para que as empresas trabalhem dentro da legalidade ?
    Agora vamos amargar com desempregos e prejuízo para a nação.
    Quando será que vamos aprender ?

  4. Tele
    sexta-feira, 20 de abril de 2018 – 19:48 hs

    Qual a ação dos nossos senadores neste caso:
    2 defendendo o Lula
    1 fazendo campanha presidencial.
    Parabéns Paraná! #sqn

  5. silva
    segunda-feira, 23 de abril de 2018 – 9:57 hs

    Protecionismo em questão …

    O Brasil é o segundo produtor mundial de frango (13,25 milhões de toneladas de carne/ano), antecedido pelos EUA (18,59 milhões de toneladas de carne/ano) e o maior exportador mundial (4,3 milhões de toneladas/ano).

    A BRF, resultado da fusão da Sadia + Perdigão, sua principal exportadora. Os países da UE são destino de cerca de 15% das vendas, segundo dados do setor.

    A Comissão Europeia decidiu dia 19/04 descredenciar 20 estabelecimentos brasileiros exportadores de carne, principalmente de aves, citando deficiências no sistema oficial de inspeção do Brasil.

    “Nós confirmamos que os Estados Membros votaram (por unanimidade) em favor do descredenciamento de 20 estabelecimentos brasileiros dos quais importações de carne e produtos de carne (principalmente aves) estavam autorizadas”, disse a comissão. A medida passa há valer 15 dias após a publicação da decisão em diário oficial do bloco.

    A proibição é consequência da terceira etapa da Operação Carne Fraca, deflagrada em 2017, pela Polícia Federal para investigar denúncias de fraudes cometidas por fiscais agropecuários federais e empresários.

    A chamada Operação Trapaça, deflagrada em 5 de março, teve como alvo a BRF. O grupo é investigado por fraudar resultados de análises laboratoriais relacionados à contaminação pelas bactérias Salmonella pullorum.

    Operações estas consideradas por muitos atores, como trapalhadas e exageros midiáticos da Polícia Federal, além é claro de “deslizes” das empresas envolvidas e autoridades constituídas.

    Dos 20 frigoríficos que não podem mais exportar carne de frango para a União Europeia (UE), oito estão no Paraná (1º lugar: produtor e exportador nacional de carne de frango).

    A medida da UE vem travestida de barreira sanitária/técnica, mas no fundo reveste-se de barreira comercial (protecionismo), situação que somente será resolvida com muita discussão na União Europeia / Países Membros e numa última cartada na Organização Mundial do Comércio (OMC) e atuação competente do MPA e da diplomacia brasileira (adidos agrícolas)

    E felizmente, podemos ter alguma vantagem, já que o atual diretor geral da OMC é o brasileiro ROBERTO aZEVEDO.

    Mas, de antemão sabe-se que a batalha alḿe de árdua é demorada e poderá gerar efeitos contrários ao que se pretende !!Por isso à cautela e parcimoniosidade na utilização desse artifício, especialmente agora no calor do “embargo da UE, com o acirramento de ânimos de ambos os lados.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*