Serraglio fala sobre Aécio e as pressões no Ministério da Justiça | Fábio Campana

Serraglio fala sobre Aécio e as pressões no Ministério da Justiça

Na terça-feira (17), enquanto a 1ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidia se Aécio Neves seria ou não réu da denúncia oferecida pela Procuradoria Geral da República (PGR) nos crimes de corrupção passiva e obstrução de justiça, o deputado federal Osmar Serraglio fazia um pronunciamento no Grande Expediente da Câmara dos Deputados em comemoração aos 12 anos dos trabalhos da CPMI dos Correios, que investigou o Mensalão, da qual ele foi Relator, e que culminou com a condenação de mais de Duas Dezenas de denunciados. (Empresários, Banqueiros, Ministros, Políticos, dentre outros).

Serraglio iniciou seu pronunciamento dizendo que, naquele exato momento, estava sendo julgado no Supremo Tribunal Federal, quem que já foi Candidato a Presidente da República e que foi colhido em ligação telefônica, com o acusado Joesley Batista, em que demonstravam revolta com sua conduta, quando Ministro da Justiça, por se recusar a ceder a pressões objetivando a indicação de delegado da Polícia Federal de preferência dos investigados, para investigar suas próprias ações delituosas.

Serraglio lembrou também que “pressões semelhantes advieram do Senador Renan Calheiros, ex-Presidente do Congresso Nacional, multi-investigado pela Polícia Federal. Por aí já se descortinam algumas das razões de alto nível político-partidário que instabilizaram minha permanência na pasta”, disse Serraglio.

A 1ª Turma do STF aceitou a denúncia apresentada pela PGR contra o Senador Aécio Neves. A denúncia contra Aécio teve como base a delação de executivos da J&F, divulgada em 2017, na qual Aécio foi flagrado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista. Nas gravações, Aécio afirma que o dinheiro seria usado para pagar despesas com advogados.

Também em gravações telefônicas, o Senador acusava Osmar Serraglio, então Ministro da Justiça, de não indicar delegados que agradassem aos investigados, um dos motivos que levaram a queda do Ministro. (Não atender aos interesses dos poderosos que queriam se safar dos seus feitos delituosos).

Entre as testemunhas arroladas pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na denúncia contra o senador Aécio Neves, estão o delegado Leandro Daiello, ex-diretor da Polícia Federal, e o deputado Osmar Serraglio, que foi Ministro da Justiça.


7 comentários

  1. luiz carlos
    quinta-feira, 19 de abril de 2018 – 16:36 hs

    E por falar em ligação telefônica?!

  2. Prof. João Cândido
    quinta-feira, 19 de abril de 2018 – 16:40 hs

    Conheço confio e sempre confiei no Serraglio, desde o tempo do mensalão ele vem sendo atacado por essa corja de petistas e bandidos de outros partidos como esse lixo do Aécio, parabéns Serraglio, aos poucos o Sr. vai calando a boca dessa gente.

  3. Rapaz
    quinta-feira, 19 de abril de 2018 – 16:49 hs

    Serraglio sempre foi e permaneceu probo, correto e incorruptível, a despeito do ambiente nojento e corrompido em que trabalha e vive. Merece aplauso e reconhecimento nas ruas e nas urnas por ser a força moral que é!

  4. quinta-feira, 19 de abril de 2018 – 16:58 hs

    PAPO DE XUPETA, COM OS GRAMPOS DA CARNE FRACA, SEM CREDITO NENHUM!!!

  5. PHILLIPS
    quinta-feira, 19 de abril de 2018 – 20:32 hs

    Votei e vou votar nele

  6. Thiago Almeida
    sexta-feira, 20 de abril de 2018 – 11:14 hs

    Eu continuo confiando neste deputado, afinal, não precisa ser muito inteligente pra saber porque ocorreu todo aquele barulho da Carne Fraca, inclusive, uma gravação que nao diz nada, só mostra ele atuando como todos os parlamentares devem atuar…
    Só vejo especulação sobre o assunto até hoje.

  7. QUESTIONADOR
    sexta-feira, 20 de abril de 2018 – 12:59 hs

    -Calado Serraglio seu filme está bastante queimado!!!
    -Fica bem quietinho no seu canto que é melhor para você!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*