Nunca antes na história desse país | Fábio Campana

Nunca antes na história desse país

Antônio Prata,

Tom Jobim disse que o Brasil não era para principiantes. A realidade, de 2013 para cá, prova que o Brasil não é nem sequer para iniciados. Vamos levar alguns anos, talvez muitos, para entender o sentido do que está se passando.
Os acontecimentos são ambivalentes, polivalentes, contraditórios. Lula foi de longe o melhor presidente que este país já teve e foi condenado porque de fato recebeu de presente um apartamento de uma empreiteira que desviou rios de dinheiro público e despejou parte desta fortuna nos cofres do PT. A Lava Jato é um avanço indiscutível num país em que a impunidade é a regra e a Lava Jato é parcial e atropela direitos. É preciso ser um avestruz e enfiar a cabeça na própria bolha do Facebook para não aceitar todas essas afirmações como verdadeiras.

A eleição do Lula foi um sopro de esperança num país que, desde sempre, foi governado pela mesma meia dúzia, para a mesma meia dúzia. Houve um momento na década passada em que todos, mesmo aquela meia dúzia (que, aliás, continuou governando ao lado do Lula), acreditamos que o Brasil ia dar certo. Que éramos como Mané Garrincha, apesar das nossas pernas tortas, por causa de nossas pernas tortas, sairíamos driblando como ninguém. Lula era o protótipo do sonho brasileiro, o self-made-man tupiniquim vindo da miséria em Garanhuns e eleito presidente, o personagem mais brasileirissimamente hollywoodiano que este país já produziu. E milhões saíram da miséria. E milhares conseguiram bolsas em faculdades. E a economia cresceu. E roubou-se a torto e a direito.

Roubou-se como “nunca antes na história deste país”? Impossível saber, porque antes não se investigava. Veja como é contraditório: Lula só foi preso porque deixou que o Ministério Público e a Polícia Federal agissem sem amarras, como “nunca antes na história deste país”. Mas o fato de que sempre se roubou não legitima a roubalheira do PT. E haver roubalheira no PT não deslegitima tudo de bom que o PT fez. Não foi pouco —nem o que fez de bom, nem a roubalheira. O Brasil não é para principiantes. Nem para iniciados.

Logo após vencer as eleições de 2002, Lula disse que “A esperança venceu o medo”. Com toda a corrupção revelada pela Lava Jato, com o desastre econômico do governo Dilma e a hábil orquestração dos abutres que agora estão no poder, lavando todos os seus pecados nas águas do antipetismo, o medo está de volta. A prisão do Lula é a prova definitiva de que aquela esperança morreu. Viva a esperança!


5 comentários

  1. Ricardo Antonio Balestra
    segunda-feira, 9 de abril de 2018 – 12:29 hs

    Bem posta esta manifestação. Mesmo se sendo da esquerda não se pode ignorar os mal-feitos do Lula e da sua troupe. Que o Lula foi um avanço para o Brasil (o único presidente que, na realidade, conseguir diminuir a miséria no País – embora o Jango tenha tentado e o Getúlio tenha feito alguma coisa), não há dúvida. O que não é possível é querer esconder as malandragens feitas na dinastia PT, nem ignorar as consequências disso. Outra coisa é aceitar que, agora, a Justiça (sic!) só puna os petistas e o Lula, como se os Aécio, Alkimin, Serra, Paulo Preto, Pezão, Perrela, Richa, Gato Angorá, Padilha, Temer et caterva não merecessem, também, cadeia!
    Outra coisa. sobre os comentários dos tripulantes do helicóptero que levou o Lula para Curitiba, será que o Comandante da Aeronáutica tem voz de comando? Será que tem peito para reprimir seus subordinados? Será que é um democrata ou será que aprendeu com os Brigadeiros da Argentina e do Chile? Esperemos sua manifestação, se é que haverá!

  2. igor
    segunda-feira, 9 de abril de 2018 – 13:44 hs

    Não sei de onde esse sujeito tirou que Lula foi o melhor presidente da história. Melhor pra quem cara-pálida?

  3. Veredito
    segunda-feira, 9 de abril de 2018 – 14:50 hs

    Cidadania Honorária de Curitiba para Sergio Moro.
    Esta na hora de lembrar ao prefeito Jaime Lerner que dorme em alguma gaveta da mesa do presidente da Câmara Municipal e em alguma mesa da escrivaninha dele, uma lei que concede o titulo de Cidadão Honorário de Curitiba ao juiz Federal Sergio Moro, de autoria do ex-vereador Chico do Uberaba.Quando da concessão o vereador Paulo Salamuni era líder do prefeito e o pastor Ailton Araujo,era presidenrte do Legislativo. Embora aprovado pela maioria, o titulo ao Juiz Federal Sergio Moro foi engavetado, pois sua entrega atrairia grande número de pessoas e a mídia daria destaque o que não era desejo nem do prefeito Gustavo Fruet, e nem de seus adestrados seguidores.
    Mas agora, com a imagem de Sergio Moro consolidada não somente no país, mas em grande parte do mundo livre, está mais do que na hora de Rafael Greca a entregar as chaves de Curitiba ao mais ilustre de seus habitantes não curitibano, colocando nossa cidade no cenário internacional, mais uma vez, agora também conhecida como República de Curitiba, conforme as palavras do ex-presidente da república, hoje presidiário, Luiz Inacio Lula da Silva.
    O recado está dado, a oportunidade é única, e que justiça seja feita ao homenageado Sergio Moro, e a que lhe homenageou, vereador Chico do Uberaba.
    Um lembrete: E quando da escolha do local para a solenidade, que se pense em algum de grandes proporções, pois a presença dos brasileiros admiradores de Sergio Moro será em número de ficar registrado no Livro dos Recordes.

  4. segunda-feira, 9 de abril de 2018 – 15:39 hs

    Antoni Prata VTNC !

  5. Moisés Fróes
    terça-feira, 10 de abril de 2018 – 0:12 hs

    Prata, és um corruPTista? deve ter recebido dinheiro dos governos dedastrosos do PT.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*