Lula se reúne com cúpula do PT no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC | Fábio Campana

Lula se reúne com cúpula do PT no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reúne na noite desta quinta-feira (5) na sede do Sindicato dos Metúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, com lideranças do PT após ter a ordem de prisão expedida pelo juiz federal Sérgio Moro. Além de Lula, estão reunidos a ex-presidente Dilma Rousseff, o deputado Paulo Pimenta, o senador Lindbergh Farias, o ex-prefeito de São Bernardo Luiz Marinho, os governadores Camilo Santana (Ceará) e Wellington Dias (Piauí), Guilherme Boulos, lider do MTST, e Wagner Santana, presidente do sindicato.

Lula chegou às 19h10 à sede do sindicato. Em nota, a defesa de Lula afirmou que o mandado de prisão contra o petista, expedido nesta quinta-feira (5) pelo juiz Sérgio Moro, “contraria” decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). As informações são do G1.


“A expedição de mandado de prisão nesta data contraria decisão proferida pelo próprio TRF4 no dia 24/01, que condicionou a providência – incompatível com a garantia da presunção da inocência – ao exaurimento dos recursos possíveis de serem apresentados para aquele Tribunal, o que ainda não ocorreu. A defesa sequer foi intimada do acórdão que julgou os embargos de declaração em sessão de julgamento ocorrida no último dia 23/03. Desse acórdão ainda seria possível, em tese, a apresentação de novos embargos de declaração para o TR4”, diz a nota.

Manifestantes ligados a movimentos sociais seguiram em marcha até o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e chegaram na frente da sede por volta de 20h45. Da janela do prédio, o ex-presidente acenou pela a multidão, que gritava frases em defesa do petista.

O presidente do sindicato, Wagner Santana, subiu no carro de som para dizer que Lula “não vai se entregar”. “A partir desta casa, dos companheiros do MTST, dos companheiros dos movimentos sociais, nós vamos dizer: ele não vai se entregar. Venham buscar. Nós estaremos esperando aqui”, disse o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos.

Também de cima do carro de som, o coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) afirmou que o grupo deveria permanecer em vigília em frente ao sindicato para que Lula não seja preso. “Nós não vamos aceitar decisões ilegítimas. É por isso que a palavra de ordem hoje aqui é resistência. Estar ao lado do Lula hoje é estar do lado certo da história”, disse Boulos.


Um comentário

  1. RR
    sexta-feira, 6 de abril de 2018 – 10:54 hs

    Olha a chance forças armadas,pega todos os chefões da quadrilha juntos.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*