'Energia solar mais próxima de você' | Fábio Campana

‘Energia solar mais próxima de você’

Artigo de Guto Silva

Imagine carros rodando sem fazer barulho, emitir gases poluentes e com abastecimento custando um quarto do que hoje se gasta com combustíveis fósseis. Agora imagine que a energia elétrica que está nas baterias desse carro foi gerada sem passivo ambiental como alagamento ou construção de barragens. A energia foi captada por painéis solares, do próprio “eletro-posto”.

Continue imaginando que são painéis semelhantes ao que o próprio motorista tem em sua casa, que complementa o fornecimento de energia elétrica da rede convencional ou ainda gera um excedente que se torna economia na conta de luz dessa rede ou de outro imóvel registrado em seu nome. Apenas nesse breve exercício, são cinco vantagens para economia doméstica e para o meio ambiente.

Pois bem. Esse cenário está mais próximo desde a semana passada, quando aprovamos, na Assembleia Legislativa, uma proposta que assino com companheiros de bancada. Ela prevê que o gerador de energia fotovoltaica, obtida a partir da exposição ao sol e que tenha excedente de produção possa obter economia jogando essa energia que sobra na rede. A proposta caminhou também com redução da carga tributária para o gerador de energia solar.

Representa o início da infraestrutura necessária para o que há de mais moderno e necessário no mundo para atender a demanda por energia, cada vez mais crescente. A tecnologia evoluiu muito na última década: os painéis solares estão mais potentes e necessitam de pouca manutenção. Não é preciso lembrar que se trata de uma energia limpa, sem nenhum poluente na atmosfera, auxiliando na redução do efeito estufa.

Dados da Agência Internacional para as Energias Renováveis (Irena, na sigla em inglês) indicam que quantidade de eletricidade gerada por meio de painéis solares deverá se tornar até seis vezes maior por volta de 2030 porque o custo de produção está se tornando inferior, principalmente, ao do gás natural e das usinas de carvão. A Bloomberg New Energy Finance prevê o crescimento dos sistemas fotovoltaicos solares para 15 por cento da produção total de eletricidade até 2040.

Mas para que todas essas – ótimas – previsões que surgem num cenário nem sempre esperançoso para o meio ambiente se tornem realidade, se faz necessária infraestrutura e, sobretudo, um planejamento que começa na base legislativa e de incentivo para acelerar o processo de opção pela energia solar. Foi nesse sentido que garantimos esse importante passo para incentivar o produtor da energia solar, que deve crescer em número e trazer essa realidade mais próximo do cidadão.


Guto Silva é deputado estadual pelo PSD e vice-presidente da Assembleia Legislativa


8 comentários

  1. Além do Quadrado
    quarta-feira, 25 de abril de 2018 – 9:11 hs

    Excelente. Falta, no entanto, que a Lei seja sancionada pela Governadora. Isso está programado também ?

  2. João Luís
    quarta-feira, 25 de abril de 2018 – 9:43 hs

    Só acredito vendo! Pois para um cidadão ter um sistema solar em sua casa, gasta hoje de 25 a 35mil reais! Quase tudo imposto!!! No Brasil é assim!
    E a COPEL/GOVERNO DO ESTADO cobra ICMS da energia que o cliente disponibilizar para a rede quando ele tem sobre de energia!
    Hoje só vale a pena se você for construir uma casa no valor de mais de 300 mil. Pois aí no custo da obra “compensa” incrementar o sistema foto voltaico.
    O Parana poderia estar na vanguarda quanto a energia solar e eólica!
    Porém quem perde com isso é a COPEL! Ao menos a longo prazo!
    É esperar pra ver!

  3. junior
    quarta-feira, 25 de abril de 2018 – 12:30 hs

    Como o Brasil é um pais tropical, já passou da hora das Universidades desenvolverem projetos de placas fotovoltaicas para serem utilizadas nas coberturas das casas, substituindo telhas e gerando a energia necessária para o consumo e, talvez quem sabe, transferido o eventual excedente para a administração pública como forma de pagamento do investimento.
    Não sou engenheiro e não sei se isso é tecnicamente possível mas, já li matérias sobre imóveis inteiros revestidos dessas placas na Alemanha, com ótimos resultados.
    E lá não tem sol o ano todo!

  4. junior
    quarta-feira, 25 de abril de 2018 – 12:31 hs

    O que vai fazer o investimento ser mais barato é a escala e, por isso, o início terá que ser bancado pela Administração Pública.

  5. Jesiel Julio da Silva
    quarta-feira, 25 de abril de 2018 – 14:48 hs

    Parabéns Deputado Guto, sem dúvida uma excelente ideia que, se aprovada, terá um impacto positivo na economia do setor! São projetos inovadores desta natureza que necessitamos para o nosso Paraná se desenvolver cada vez mais!

  6. Daniel Grassi
    sexta-feira, 27 de abril de 2018 – 8:23 hs

    Muito bom deputado. Poderá haver incentivo ou linha de financiamento para cidadãos, comerciantes e agricultores

  7. Johnathan
    sexta-feira, 27 de abril de 2018 – 8:54 hs

    bela proposta deputado, acompanho seu trabalho na ALEP…. é um dos poucos que da pra confiar, forte abraço

  8. Vinicius
    sexta-feira, 27 de abril de 2018 – 8:55 hs

    Projeto de Lei voltado a atender o interesse do povo, Parabens!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*