As frases de Roberto Campos | Fábio Campana

As frases de Roberto Campos

Se estivesse vivo, o economista e diplomata Roberto Campos completaria ontem seu 101º aniversário. Morto em 2001, aos 84 anos, deixou incontáveis frases que viverão para sempre na memória do Brasil que pensa. Augusto Nunes separou algumas.

“O bem que o Estado pode fazer é limitado; o mal, infinito. O que ele pode nos dar é sempre menos do que nos pode tirar”.
“O doce exercício de xingar os americanos em nome do nacionalismo nos exime de pesquisar as causas do subdesenvolvimento e permite a qualquer imbecil arrancar aplausos em comícios”.
“O PT é um partido de trabalhadores que não trabalham, estudantes que não estudam e intelectuais que não pensam”.
“Nossas esquerdas não gostam dos pobres. Gostam mesmo é dos funcionários públicos. São estes que, gozando de estabilidade, fazem greves, votam no Lula, pagam contribuição para a CUT. Os pobres não fazem nada disso. São uns chatos”.
“É divertidíssima a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda: admiram o socialismo de Fidel Castro, mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar ─ bons cachês em moeda forte, ausência de censura e consumismo burguês. São os filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola”.


8 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 11:25 hs

    Um bon vivant… nada mais…

  2. xiru de palmas
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 11:26 hs

    Foi um grande pensador, mas tambem foi um grande usurpador.
    Na era militar (tão desejada novamente por alguns brasileiros desavisados), foi ministro da fazenda e era conhecido no exterior como ministro 10%.
    Era o cache que cobrava para qualquer transação com o ministério.
    Isso não era divulgado, não era investigado e portanto não era criminalizado.
    Os militares (com seu governo honestíssimo) não permitiam quem ninguem colocasse seu bedelho em assuntos governamentais.
    Por isso, tenho a mais absoluta certeza, de que o governo militar foi o governo mais corrupto que o Brasil teve, pois não era fiscalizado por ninguem.
    Em cada obra faraônica (ponte Rio NIteroi, Transamazonica, Itaipu, e assim por diante) o senhor Campos ficava com a bagatela de 10% e dividia, com certeza, com o admirável ministro dos transportes Coronel Andreazza

  3. Zabra Q Tize
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 11:32 hs

    Eva e Adão.

  4. Daniel, o ateu atento
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 11:33 hs

    Todas no alvo!

    “Nossas esquerdas não gostam dos pobres. Gostam mesmo é dos funcionários públicos. São estes que, gozando de estabilidade, fazem greves, votam no Lula, pagam contribuição para a CUT. Os pobres não fazem nada disso. São uns chatos”

    Esta vale muito bem para aqueles funcionários públicos que comentaram absurdos lá no post falando da Cida autorizando melhoria salarial para alguns servidores da educação.

  5. Daniel, o ateu atento
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 11:34 hs

    Não que ele fosse um santo.
    Era um corrupto que fazia parte do governo mais corrupto de todos.

  6. Uncle Joe 100
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 18:20 hs

    Kkk Roberto Campos podem não saber, mas ele é feliz porque não vive nesta mixórdia em que se transformou este nosso Brasil varonil, onde rarissimamente trabalhando é que se enriquece. Começo a sentir que os mortos é que são felizes e nós os vivos os infelizes.

  7. quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 21:41 hs

    O xiru, voce morando em Palmas que nem jornal chegava até 1986 , como sabe dessas coisa PRA FICAR FALANDO DESSE JEITO. ME ESPRIKE.

  8. Carmem
    quarta-feira, 18 de abril de 2018 – 23:24 hs

    Uma pequena correção se me permite, xiru. O ‘ministro 10%’ era o Delfim Neto. Era público e notório, acho que até em Palmas se sabia disto.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*