Pistola de ouro: diferença entre mocinho e bandidos | Fábio Campana

Pistola de ouro: diferença entre mocinho e bandidos

A arma da fotografia foi lançada em janeiro deste ano pela Glock. O banho de ouro provavelmente aconteceu em Ciudad del Este, no Paraguai. A inscrição “RB da Clínica Nova Holanda” trata-se de referência a algum chefe do tráfico na favela da Nova Holanda, no Complexo da Maré. Ela faz parte do conjunto apreendido na segunda-feira no quilômetro 207 da BR-116 que seguia para o Rio com 15 fuzis, 32 pistolas, uma granada, 106 carregadores e 40 mil munições de calibres diversos.
A última compra de fuzis para a Polícia Militar do Rio, segundo matéria d’O Globo, foi em 2013, quando o Batalhão de Operações Especiais recebeu 600. As armas utilizadas pelo restante da tropa têm cerca de dez anos de uso.
Este é um dos muitos exemplos que demonstram as diferenças entre a segurança pública no Rio de Janeiro e os bandidos, modelo replicado no Brasil inteiro.


2 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018 – 12:17 hs

    “O Homem da Pistola de Ouro” e “O Satânico Dr. Janô” são filmes que sempre estão em cartaz no Brasil governado pelo JN e as instituições da justiça.

  2. quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018 – 12:51 hs

    O CARA DEVE SER MUITO CONSIDERADO TCHÊ!!!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*