40 anos de auxílio-moradia a juízes | Fábio Campana

40 anos de auxílio-moradia a juízes

Discussões sobre o pagamento de auxílio-moradia no Judiciário se arrastam há quase quatro décadas, marcadas por sobreposição de leis, falta de regulamentação, regulações posteriores a liminares e ações judiciais. Neste cenário, o benefício, originalmente criado para indenizar quem não tem residência na comarca onde trabalha, hoje é concedido a 17.087 magistrados, o que representa 70% do total. 

Essa ampla maioria foi atingida em 2014, após resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Entretanto, o debate sobre o auxílio-moradia vem desde quando foi criado, em 1979, na Lei Orgânica da Magistratura (Loman). Sem regulamentação, cada Estado aplicava de uma maneira diferente o benefício, o que feria a isonomia entre os juízes.

Após a resolução do CNJ, o desequilíbrio acabou, mas os gastos só aumentaram. Apenas no mês de dezembro, o País gastou R$ 76 milhões com o “penduricalho” em 59 tribunais analisados.
As informações são do Estado de S. Paulo.

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para o dia 22 de março o julgamento em plenário das ações que discutem a legalidade do auxílio-moradia. O cenário é semelhante a outro episódio da novela judicial. Em 2000, magistrados ganharam o benefício em um acordo feito às vésperas de uma paralisação. Passaram-se 18 anos, e os juízes ameaçam usar a mesma tática no dia 15 de março, um semana antes do julgamento definitivo no STF.

O argumento em defesa do amplo auxílio-moradia reside na regra abrangente prevista pela Lei Orgânica: quem não tiver acesso a imóvel funcional ganha o direito.


3 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018 – 13:20 hs

    Altos Barnabés do Brasil: do alto destas pirâmides de ouro, 40 anos de privilégios vos contemplam… parece que alguém já disse algo semelhante há algumas centenas de anos…

  2. Tonho
    segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018 – 16:14 hs

    PQ AUDITORE FISCAIS E DELEGADOS DE POLÍCIA Ñ RECEBEM??? QUAL A RAZÃO PREMENTE PRA ISSO???

  3. JOSE LOUREIRO
    segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018 – 19:57 hs

    Picaretagem pura…… devem devolver com juros e correção montaria alem de processo criminal e administrativo.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*