Incrível. Rocha Loures depõe à PF e nega ter amizade com Temer | Fábio Campana

Incrível. Rocha Loures depõe à PF e nega ter amizade com Temer

Peça central no escândalo que atingiu o governo Michel Temer no ano passado, o ex-assessor presidencial e ex-deputado federal paranaense Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) disse em depoimento à Polícia Federal que não tinha relação de amizade com o presidente, mas uma relação “profissional, respeitosa, administrativa e funcional, visto que o presidente era seu chefe”. Rocha Loures depôs nos dias 24 e 27 de novembro no inquérito que investiga a edição de um decreto, em maio de 2017, que mudou as normas para o setor portuário e teria beneficiado a empresa Rodrimar, que atua no porto de Santos (SP). As informações são do Bem Paraná.

O inquérito tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) sob relatoria do ministro Luís Roberto Barroso e é o único ainda aberto que tem Temer como alvo. O ex-deputado foi filmado em maio do ano passado recebendo uma mala com R$ 500 mil de um executivo da J&F, que controla a JBS. A Procuradoria-Geral da República acusou Temer de ser o destinatário final do dinheiro –a denúncia, sob acusação de corrupção passiva, teve seu prosseguimento suspenso pela Câmara.

Sobre a mala, Rocha Loures ainda não deu declarações. Para o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, Rocha Loures era “homem de total confiança, verdadeiro “longa manus” de Temer –o que o ex-assessor presidencial negou no inquérito que investiga o decreto dos portos.

“[Rocha Loures disse] Que encontrou-se pela primeira vez com o presidente Michel Temer quando o declarante ocupou o cargo de chefe de gabinete de [Roberto] Requião, em 2003 e 2004 [no Paraná]; […] que possuía uma relação de trabalho amistosa, não podendo afirmar que fosse uma relação de amizade”, segundo o registro do depoimento tomado pelo delegado da PF Cleyber Malta Lopes. “[Rocha Loures relatou] Que também não possuía por hábito efetuar ligações diretamente ao presidente Michel Temer […] também, habitualmente, não trocava mensagens via celular com o presidente, à exceção de eventual necessidade do gabinete, quando o assunto requeria urgência.”

SETOR PORTUÁRIO Rocha Loures afirmou à PF que não mantém relações nem recebeu doações do setor portuário para suas campanhas à Câmara (em 2006 e 2014), mas que conhece representantes dessa área, como os executivos da Rodrimar, desde 2013, quando houve a tramitação da Lei dos Portos no governo Dilma Rousseff. Naquele período, ele era assessor de Temer na Vice-Presidência.

Sobre o decreto dos portos, editado por Temer em maio de 2017, Rocha Loures disse que só soube da matéria no início do ano passado, quando era assessor especial da Presidência e tomou conhecimento da minuta do texto, enviado à Casa Civil pelo Ministério dos Transportes. Ele negou que tenha atuado para favorecer interesses da Rodrimar na elaboração do decreto e disse “que não tem conhecimento se o presidente da República possui qualquer relação com o setor portuário, em especial com qualquer empresa do grupo Rodrimar e outras concessionárias baseadas no Porto de Santos”.

Em interceptação telefônica feita pela PF com autorização do Supremo, Rocha Loures foi grampeado em 8 de maio de 2017 conversando com o subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo do Vale Rocha, sobre o decreto dos portos. No diálogo, ele insistia para que o Planalto incluísse no decreto uma regra que beneficiasse empresas portuárias que conseguiram concessões antes de 1993.

“Por orientação até do ministro [da Casa Civil Eliseu] Padilha e por conta da exposição que isso pode trazer para o presidente… Essa pauta pré-93 foi fechada aqui que não vai passar, tá?”, respondeu Gustavo Rocha, principal assessor jurídico do Planalto. “Minha preocupação é expor o presidente em um ato que é muito sensível… Eu acho que já vai causar uma exposição pra ele. Esse negócio vai ser questionado”, continou. A PF também apreendeu, em 18 de maio de 2017, na Operação Patmos, deflagrada após a delação da JBS, uma série de papéis sobre o setor portuário, inclusive sobre a Rodrimar, em endereços ligados a Rocha Loures.


7 comentários

  1. Sergio Silvestre
    segunda-feira, 8 de janeiro de 2018 – 22:12 hs

    Pois é,a justiça enrolada por enrolar finge que é verdade e acata ,coisa de Pais sem lei.

  2. FUI !!!
    terça-feira, 9 de janeiro de 2018 – 6:32 hs

    Alguma novidade !? Se a lei permite que o acusado permaneça
    calado e na função de “preposto” pode até mentir e não é conside-
    rado crime, querem o quê !?

  3. terça-feira, 9 de janeiro de 2018 – 7:20 hs

    Á TÁ;;;AGORA CONTA A DO PAPAGAIO;;;KKKKKKKKKKKKK

  4. Paulo Tadeu Macedo Neves
    terça-feira, 9 de janeiro de 2018 – 8:37 hs

    Se realmente for verdade o que o deputado falou, deveria o presidente Temer mandar embora do cargo de Itaipu o atual sogro do deputado, esse cargo que o sogro ocupa é para PELEGO.

  5. terça-feira, 9 de janeiro de 2018 – 9:10 hs

    QUEM FAZ PARCERIA COM PUTOS, UM DIA PUTO TAMBÉM SERÁ.

  6. Antônio Carlos Ribeiro
    terça-feira, 9 de janeiro de 2018 – 9:19 hs

    Rocha Loures é uma boa pessoa; só pode. É protegido do Requião. Requião estava com peninha dele porque tinha sido preso. E se é amigo de Requião, é boa gente. É axiomático.

  7. Uncle Joe 100
    terça-feira, 9 de janeiro de 2018 – 18:47 hs

    O Rodriguinho é a prova viva daquele ditado popular, dize-me com quem andas e dir te-ei quem és. É sabido de todos que o grane mentor do Rodriguinho sempre foi Maria Louca. Então é fácil de se concluir, aprendeu a mentir com o mentor. Maria Louca. Fico só imaginando a cara do delegado, deve ter rido na cara do depoente. Conta outra piá.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*