O suplente da nova ministra | Fábio Campana

O suplente da nova ministra

O suplente que deve assumir a vaga na Câmara de Cristiane Brasil, quando ela tomar posse como ministra do Trabalho, é Nelson Nahim, do PSD do Rio de Janeiro.
Ele é irmão de Anthony Garotinho. E em seu currículo tem detenção de um mês por crimes eleitorais e prisão sob a acusação de participar de uma rede de exploração sexual de crianças e adolescentes. Na época, Nahim negou envolvimento no crime, foi solto quatro meses depois, após habeas corpus concedido pelo STF.
Por conta da coligação, ele também poderia substituir Celso Jacob (PMDB-RJ), que cumpre pena em regime semiaberto por falsificação de documento público e dispensa indevida de licitação.
Que tal?


3 comentários

  1. NÃO VOTE EM QUEM JÁ FOI
    quinta-feira, 4 de janeiro de 2018 – 14:07 hs

    Pelo andar da carroagem na política do Rio de Janeiro só tem merda.

  2. Luiz Flavio
    quinta-feira, 4 de janeiro de 2018 – 15:56 hs

    SE GRITAR PEGA LADRÃO, NÃO FICA UM MEU IRMÃO, SE GRITAR PEGA LADRÃOAAAAO, NÃO FICA UM.
    Música de Ari do Cavaco, cujo título original é “Reunião de Bacana”, expõe com maestria o raio X do verdadeiro significado de POLÍTICO no Brasil. Claro que existem as exceções. Gravada pela primeira vez em 1981, foi um prelúdio para o escândalos das décadas seguintes. Segue a Lista dos Escandalos Políticos no Brasil:
    1) década de 60 foram só 07;
    2) década 70 (17);
    3) década 80 (17);
    4) década 90 (31);
    5) década de 2000 (64);
    6) de 2010 a 2017 (89). E claro, nosso Paraná não poderia ficar de fora, deu uma mãozinha com os escândalos do BANESTADO, COPEL-OVELPAR, CPI COPEL-SERCOMTEL, AMA-COMURB, DIÁRIOS SECRETOS (cujo titular atual é Deputado Estadual que não foi preso), QUADRO NEGRO, RECEITA ESTADUAL, com um ramo na Exploração Sexual de menores, Operação Públicano, Operação VOLDEMORT e Oficina Providence. Mas como no crime de Colarinho Branco nada acontece, continuam zombando da impunidade e da população.

  3. Uncle Joe 100
    quinta-feira, 4 de janeiro de 2018 – 17:39 hs

    Foi por causa disto que o presidento Dilmo escalou mais uma tralha para compor este seu ministérios de “celebridades”. Competência que é bom só do Meirelles, o resto é um monte de tralhas, quando não com acusações de roubalheira e corrupção. Mas mais um tralha em meio a 500 e tantas outras não altera nada.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*