Juíza obriga sindicato a retirar críticas a Ricardo Barros das ruas | Fábio Campana

Juíza obriga sindicato a retirar críticas a Ricardo Barros das ruas

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, conseguiu uma liminar judicial que obriga sindicatos de policiais a retirarem seu nome e foto de outdoors que criticam a reforma da previdência. A liminar foi concedida pela 16.ª Vara Cível de Curitiba. As informações são de Rogério Galindo no blog Caixa Zero na Gazeta do Povo;

O Sindicato dos Policiais Rodoviários do Paraná e a União dos Policiais do Brasil espalharam cartazes com fotos de políticos paranaenses que votariam a favor das mudanças na previdência sugeridas pelo governo de Michel Temer. Entre eles, está Ricardo Barros, deputado federal eleito e atualmente no cargo de ministro.

O texto dos outdoors diz que esses políticos querem “acabar com a sua aposentadoria” e pede que a população não deixa que eles façam isso. Barros disse que isso lhe causa prejuízos morais.

A juíza Beatriz Fruet de Moraes deferiu parcialmente a liminar. Não ordenou a retirada dos cartazes e do material como um todo nas redes sociais: ordenou apenas que se tirem as referências a Barros.


10 comentários

  1. Antonio Tadeu Meneses
    quarta-feira, 13 de dezembro de 2017 – 19:09 hs

    Não adianta recorrer a justíça, porque os eleitores paranaenses não esquecerão as atitudes nocivas do Barros nas eleições do ano que vem,

  2. Viva a Barrolandia
    quarta-feira, 13 de dezembro de 2017 – 20:15 hs

    Mas Ricardo Barros não é a favor da reforma a previdência da forma como o governo quer? TÁ reclamando do que?

  3. Sabemos q vc é Canalha.
    quarta-feira, 13 de dezembro de 2017 – 20:22 hs

    Não tem problema, já sabemos o canalha que você é e certamente todo eleitor paranaense também saberá e você vai levar um pé na bunda em 2018 pode acreditar.

  4. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 13 de dezembro de 2017 – 20:27 hs

    Ditadura,eles podem colocar aut door do L

  5. Sergio Silvestre
    quarta-feira, 13 de dezembro de 2017 – 20:29 hs

    Ditadura militar,lembre -se do boneco do Lula,out door ai no “PENICO” falando asneiras do Lula,mas o malaco ai não pode ,temos que tomar cuidado com as casas de lei que estão virando covil.

  6. Jango
    quinta-feira, 14 de dezembro de 2017 – 7:56 hs

    SS Calça Frouxa, o judiciário a que você se refere não é o que você rotula de “casas de lei”. Casas de lei são as câmaras municipais, assembleias legislativas, câmara dos deputados e o congresso nacional.

  7. Fátima Souza
    quinta-feira, 14 de dezembro de 2017 – 9:45 hs

    Safado, esse senhor não sabe o significado de saúde e previdência, mas vem eleições por ai, esposa e filha dele serão candidatas e eles terão o que merecem, não é possível o povo sofrendo em UPAs e Hospitais e votarem ainda nessa corja.

    Descaso total!!!!!!!!!!!

    O que eles sabem fazer bem é o povo pagar o furo que eles fazem, mas segurança, educação e saúde são descartáveis.

    Temos que mostrar que eles não significam nada para nós cidadãos.

  8. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 14 de dezembro de 2017 – 9:57 hs

    O melhor seria divulgar os parlamentares contrários à reforma da previdência. Dentro de no máximo dez anos, os seus eleitores estarão maldizendo-os, inclusive os membros desses sindicatos.

  9. Azedo
    quinta-feira, 14 de dezembro de 2017 – 11:47 hs

    E alguém ainda dá bola pro que sindicatos e pelegos falam? Vão trabalhar, bando de vagabundos!

  10. CAÇADOR DE VERMES PETISTAS.
    quinta-feira, 14 de dezembro de 2017 – 11:59 hs

    Sindicalistas pelegos, ligados ao PT, sob o comando do chefe da quadrilha Lula da Silva, á APP – Sindicato e aos vermes do MST.

    Raça do inferno que não deixa o Brasil ir pra frente.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*