Igreja pode; escola não | Fábio Campana

Igreja pode; escola não

A inauguração do templo da Igreja Universal aconteceu no domingo, com um alvará em caráter precário. O local só vai ganhar documentação definitiva depois de ter concluído as exigências da prefeitura. Mas mesmo assim, pode dar continuidade às atividades.
A escola Anjo da Guarda tirou o alvará para construção de seu novo prédio na gestão passada. Cumpriu as exigências e fez correr a burocracia de acordo com o que foi exigido pelo município.
Com o novo prefeito uma enxurrada de problemas começaram a aparecer.
O alvará antigo foi anulado depois que Greca pediu um ‘pente fino’ nas licenças concedidas entre 2013 e 2016, na gestão de Fruet.
O grupo garante que cumpriu todas as exigências, inclusive a reforma da Unidade de Saúde Campo Alegre, na CIC, avaliada em R$ 2 milhões, e que espera que haja um ‘acordo consensual’, a prefeitura nega que esteja fazendo algum tipo de tratativa sobre o impasse.
O período de férias é curto, as obras estão praticamente finalizadas e a escola aguarda por decisão que não impeça as atividades de 2018: “Nosso entendimento é de que isso jamais poderia ter sido feito juridicamente. O próprio poder público, apontando que as medidas [compensatórias] seriam ‘x’. Aí, ao mudar a gestão, vem o poder público e caça o alvará? Imagine a situação de quem investiu nesta obra”, disse a advogada Rogéria Dotti, que compõe a defesa da escola.


5 comentários

  1. Portugal
    quarta-feira, 29 de novembro de 2017 – 13:25 hs

    Isto sem contar que a igreja é isenta de IPTU, apesar de arrecadar horrores dos fiéis, com retorno questionável à comunidade. Perseguição política pura e simples. Cade a segurança jurídica dos atos administrativos ?? Assim a cada mudança de governo os atos pretéritos serão revistos ?? Que absurdo. Isto é governar olhando pelo retrovisor.

  2. JÁ ERA...
    quarta-feira, 29 de novembro de 2017 – 14:26 hs

    Entre tantas arbitrariedades que nos cercam como as isenções dos impostos
    para as igrejas, continuam morrendo gente porque o governo tributa as medi-
    cações como se tributa uma maconha e o povão não consegue comprar.
    Fica a tristeza ao constatarmos que aqui neste país está valendo mais ser bandido e sonegador do um trabalhador honesto e pagador da enormidade
    de impostos. Afinal, alguem tem que trabalhar para sustentar os espertalhões.

  3. Sergio R.
    quarta-feira, 29 de novembro de 2017 – 16:52 hs

    Anjo da Guarda pelo nome, deve ser uma escola para crianças. E como o prefeito vai pedir voto para crianças? Fico curioso para a contrapartida da universal. Se a igreja custou 120 milhões a cidade vai embolsar uma grana alta. Não vai? Como assim? Entendi. Então vão construir um grande centro comercial e doar para a cidade? Também não? Explica aí prefeito. Só não vale dizer que vão arrumar ruas próximas.

  4. Uncle Joe 100
    quarta-feira, 29 de novembro de 2017 – 19:56 hs

    Mas o pessoal da escola não precisa agradar uma bancada de vereadores de rabo preso com o dono do tal Templo. O Greca precisa.

  5. quarta-feira, 29 de novembro de 2017 – 21:10 hs

    Eu digo faz tempo que existe dois pesos e duas medidas em Curitiba, inclusive o blog ja reportou isso em vários casos que denunciamos ao longo dos anos, estava adormecida a pratica, mas voltou!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*