O melhor deputado do Brasil e o pior do Paraná | Fábio Campana

O melhor deputado do Brasil
e o pior do Paraná

No site Ranking dos Políticos ao que se refere ao comportamento dos deputados federais, o Paraná ocupa uma ponta bem interessante: tem o melhor parlamentar do país.
Vários critérios são levados em conta para as classificações (presenças nas sessões, processos judiciais etc.), muitos de forma subjetiva, como qualidades legislativas, por exemplo.

Em primeiro lugar – tanto no Paraná, quanto no Brasil – o londrinense Luiz Carlos Hauly (PSDB) foi o deputado federal que adquiriu a melhor pontuação, 219 pontos. Apesar de não ter sido autor de nenhuma lei aprovada no Congresso, pontuou bem porque das 91 sessões, não compareceu apenas em uma, não gasta muito, segundo os critérios do site, de sua verba parlamentar e não tem processos judiciais.

 

 

Na lanterna do Estado, está o maringaense Ênio Verri, do PT, acumula 184 pontos negativos e faz companhia na outra ponta: entre os 513 deputados do Brasil, ocupa um vergonhoso 489º lugar. Pesou muito para despencar sua colocação o fato de ter sido condenado em ação de improbidade administrativa: acumulou cargos de secretário municipal da Fazenda e de docente, em situação de incompatibilidade de funções e de horários (tanto por ser cargo político, quanto por assumir duas jornadas de 40 horas). Foi condenado à perda dos bens ou valores acrescidos ilegalmente ao patrimônio, ao ressarcimento integral do dano, à suspensão dos direitos políticos por oito anos, ao pagamento de multa civil e ficou proibido de contratar com o Poder Público ou receber incentivos ou benefícios fiscais ou creditícios pelo prazo de dez anos. Entrou com embargos de declaração, mas a decisão foi mantida.


5 comentários

  1. quinta-feira, 19 de outubro de 2017 – 12:39 hs

    Deputado Hauly, este é o reconhecimento do seu trabalho no Congresso Nacional, em favor dos verdadeiros interesses da sociedade brasileira!

  2. Guilherme
    quinta-feira, 19 de outubro de 2017 – 12:41 hs

    Quem afere o aferidor?

    Blogs que se prestam ao jornalismo são veículos de comunicação tocados, teoricamente, por jornalistas, formados ou autodenominados. Seja como for, um dos princípios dessa nobre profissão é não acreditar em toda informação que se recebe, sem antes apurar a veracidade do seu conteúdo. A desconfiança do jornalista é a garantia de algo imprescindível para a manutenção da sua profissão, a credibilidade.

    O produto comerciado pela atividade é a informação. Ela, sem qualificação, gera descredibilidade, que pode significar a morte profissional. Ninguém gosta de consumir informação desqualificada. Porém, ao que parece, alguns jornalistas do Paraná não estão tendo o devido cuidado com esse bem tão caro. A falta de atenção, por enquanto, não pode ser atribuída à má fé. Pode ser em decorrência da falta de tempo, ou de incapacidade para aferir dados recebidos ou copiados de outros veículos.

    Não se sabe o motivo, mas vários jornalistas “independentes” do Paraná passaram a replicar uma pesquisa mal feita, produzida pelo site políticos.org.br. O site se apresenta como uma régua capaz de medir os parlamentares do Brasil, como melhores ou piores. Segundo ele, suas análises incentivam a melhora no panorama político, pois balizarão melhor o voto do brasileiro. De acordo com os desenvolvedores do site, a meta é oferecer informações objetivas.

    Mas, quando se analisa os resultados das pesquisas, percebe-se que, na verdade, o critério de qualificação dos parlamentares é não ter critério. Ou, então, o critério deve ser tão subjetivo que seria necessário uma análise bem mais aprofundada sobre os resultados. Senão, vejamos. O Conselho de Avaliação de Leis é o responsável por avaliar o posicionamento do parlamentar nas principais votações. O site não especifica, segundo seus critérios, quais são as principais votações do Congresso Nacional.

    Para qualificar o voto parlamentar, o supracitado Conselho leva em consideração, principalmente [sic], o combate à corrupção, aos privilégios e ao desperdício de recursos públicos. Dentre as centenas de votações no Congresso Nacional, o site julgou importantes, para efeito do referido ranqueamento, as seguintes proposições: reforma do Ensino Médio, reforma trabalhista e a 1ª denúncia contra Temer. É curioso como os pontos estabelecidos para as matérias votadas foram distribuídos a parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT) e ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

    Os cinco tucanos mais bem colocados votaram sim para as duas primeiras propostas e não para a segunda. Os cinco receberam pontos positivos dos analistas do site. Já os cinco petistas mais bem colocados, votaram não para as duas primeiras propostas e sim para a terceira. Pelo posicionamento, os petistas receberam notas negativas. O Placar é esquizofrênico. A pontuação entre os cinco tucanos varia de 186 a 219. Já a pontuação entre os petistas varia de -68 a -45, do pior para o melhor.

    Não se encontra no site os critérios estabelecidos pelo grupo de analistas, pelos quais se podem levar em consideração, principalmente [sic], o combate à corrupção, aos privilégios e ao desperdício de recursos públicos numa votação de sim ou não, para a reforma do Ensino Médio e a reforma trabalhista. O que tem a ver um voto contra, ou favorável, para alguma dessas matérias, em relação ao combate à corrupção, aos privilégios, ou ao desperdício de recursos públicos? O site não esclarece essa questão.
    Na votação sobre a 1ª denúncia contra Michel Temer, o site dá um nó no cérebro de quem se aventurar na análise da qualificação dos votos dos parlamentares. O deputado mais bem qualificado do ranking geral do site, um tucano, votou sim à rejeição da denúncia. Pelo posicionamento, ele recebeu nota -5. Já um parlamentar petista, que votou contra a rejeição da denúncia, também recebeu nota -5 e está em 566º lugar no quadro geral de ranqueamento definido pelo site. Vá entender.

    Bem pior que um site de pesquisas cuja metodologia não tem o menor rigor científico e os critérios de avaliação são disparatados, é a existência de blogs “jornalísticos” que não se prestam a uma averiguação superficial de informações que lhes chegam. Isso é preocupante, pois expõe toda a sociedade a informações inverídicas.

    Os blogs https://goo.gl/5Tj6QK, https://goo.gl/h63W46, https://goo.gl/jwhcvj, https://goo.gl/qSM6tE, https://goo.gl/txzBKN, prestariam um serviço bem mais digno à sociedade se se prestassem a perscrutar as informações que lhes são oferecidas. Credibilidade é muito simples de se perder, mas quase impossível de se reaver.

    PT Maringá

  3. ADEMIR HAUENSTEIN
    quinta-feira, 19 de outubro de 2017 – 12:50 hs

    ESTE SENHOR TAMBEM MAIS UM TITULO DE PIOR SECRETARIO DO ESTADO DO PARANA!!!!!

  4. ADEMIR HAUENSTEIN
    quinta-feira, 19 de outubro de 2017 – 14:03 hs

    ESTOU FALANDO DO SENHOR HAULY QUE AJUDOU QUEBRAR O PARANA EM 4 ANOS !!

  5. Aguirre
    quinta-feira, 19 de outubro de 2017 – 19:03 hs

    Esta classificação do deputado Hauly deve ser o resultado do seu “trabalho” como autor do projeto que se transformou na Lei N. 13.050, de 8 de dezembro de 2014, que instituiu o dia 25 de outubro como o Dia Nacional do Macarrão.
    Como sobreviveríamos sem os bons ofícios do Hauly, sem o Dia Nacional do Macarrão?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*