Limite de gastos é descumprido até pelo Tribunal de Contas da União | Fábio Campana

Limite de gastos é descumprido até pelo Tribunal de Contas da União

Reportagem d’O Globo mostra que, de janeiro a agosto, o crescimento das despesas de diversos órgãos do governo superou o limite estabelecido na lei do teto de gastos, que, com base na inflação do ano anterior, não pode superar 7,2% em 2017, informa o Congresso em Foco. O Tribunal de Contas da União teve despesas que acumularam aumento de 10,1%, nível inferior apenas ao da Defensoria Pública da União (18,9%). A Justiça do Trabalho registra alta de 7,8%, enquanto o próprio Executivo viu suas despesas crescerem 7,4% até agosto.

Integrantes da equipe econômica estão preocupados com o comportamento das despesas de órgãos submetidos ao teto de gastos, mas que se encontram acima do limite legal para o ano. Segundo dados do Tesouro Nacional, no momento há sete órgãos ou poderes, incluindo o Executivo, cujas despesas crescem 7,2%. De acordo com a regra do teto, para o período 2017-2019, há uma exceção: o Poder Executivo pode compensar excessos de outros poderes, desde que isso não exceda 0,25% de seu próprio limite.
O TCU informou ao jornal O Globo que o aumento de sua despesa deve-se, basicamente, ao reajuste de salários aprovado em 2016 e à realização de investimentos em cinco secretarias sediadas nos estados. O Tribunal também alega que, por suas projeções, fechará o ano com um crescimento de despesas de 2,5% a 3%, abaixo do limite fixado pela lei. “Temos tomado diversas medidas de controle das despesas que nos permitirão manter a dotação orçamentária do TCU dentro dos limites estabelecidos. Este ano, já não usaremos os recursos da compensação dada pelo poder Executivo. O mesmo deve se repetir para 2018.”


Um comentário

  1. falido e ainda mal pago
    segunda-feira, 9 de outubro de 2017 – 13:12 hs

    Tribunais de Contas que existem espalhados pelo país afora não servem para nada. Só servem para felizes funcionários que ganham muito acima da média dos trabalhadores brasileiros, para felicíssimos conselheiros que se servem dos tribunais e ganham muito mais do que qualquer cidadão e ainda possuem aposentadoria integral e vitalícia, fora outras mordomias.
    Os nobres conselheiros são “eleitos” (na real indicados) pelos impolutos políticos pois os tais tribunais de contas nada mais são do que uma extensão do congresso, das assembleias legislativas e câmaras de vereadores.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*