Greca diz que renovação da frota de ônibus depende da Justiça | Fábio Campana

Greca diz que renovação da frota de ônibus depende da Justiça

da Banda B

O prefeito Rafael Greca disse que pretende renovar a frota de ônibus em Curitiba. Para isso, porém, ele lamentou depender de uma decisão favorável que revogue liminar que desobriga as concessionárias a renovarem frequentemente a frota, como prevê o contrato de concessão. A declaração de Greca foi dada em cerimônia na Prefeitura de Curitiba após a Câmara Municipal devolver R$ 35 milhões à administração municipal.

“Eu tenho uma grande angústia. Quero comprar ônibus novos, mas preciso que o Tribunal de Justiça revogue uma liminar impensável que, em 2013, disse que os empresários não precisavam comprar frota nova enquanto não houvesse equilíbrio financeiro no sistema. Eu aumentei a tarifa, me arrisquei, estou com o dinheiro e quero que comprem ônibus, falta só o desembargador deixar”, afirmou.

A liminar a que Greca se refere é de 2013. Na ocasião, o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba (Setransp) obteve essa decisão que desobriga as concessionárias da compra de novos veículos enquanto o sistema financeiro não fosse reequilibrado.

Atualmente, Curitiba possui centenas de ônibus com vida útil no limite ou já vencida. Em média, os ônibus da capital possuem 7,9 anos.

Segundo o Setransp, há conversas em aberto com a Prefeitura para que a frota seja renovada, mas não há um prazo para que isso aconteça. Na época do reajuste da passagem para R$ 4,25, uma das justificativas apontadas era justamente a renovação da frota.

Manutenção asfáltica

Enquanto a renovação da frota não acontece, Greca garantiu que as ruas por onde o transporte coletivo passa serão prioritárias na manutenção asfáltica. “Vamos evitar que nossa malha deteriore ainda mais os ônibus do que já estão”, disse o prefeito.

Parte dos R$ 35 milhões devolvidos para a Prefeitura será destinado para essa manutenção de asfalto.


Um comentário

  1. Louise
    sexta-feira, 6 de outubro de 2017 – 5:49 hs

    Essa liminar é ad eterna? Será que o CNJ não dá um empuranzinho nela?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*