Fachin acumula 80 inquéritos e seis ações penais da Lava Jato | Fábio Campana

Fachin acumula 80 inquéritos e seis ações penais da Lava Jato

O gabinete do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), realizou um levantamento e contabilizou o acumulo de 80 inquéritos da Lava Jato na Corte, todos envolvendo políticos no exercício de cargo com prerrogativa de foro no tribunal. A estatística, fechada no final de setembro, aponta diferentes autoridades dos poderes Legislativo e Executivo federais. As informações são do Diário do Poder.

Os casos estão no gabinete do ministro Fachin, relator da Operação Lava Jato desde fevereiro deste ano, após a morte do relator anterior, ministro Teori Zavascki. Com mais de três anos desde o início da operação em Curitiba, apenas seis processos diretamente relacionados aos desvios na Petrobras se tornaram ação penal no STF.

Em condição de réu estão políticos como a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Fernando Collor (PTC-AL) e os deputados Aníbal Gomes (PMDB-CE), Nelson Meurer (PP-PR) e Vande Loubet (PT-MS). Seus casos devem ser os primeiros a terem desfecho no Supremo, seja este absolvição ou condenação.

A maioria dos inquéritos abertos no STF é decorrente das 110 delações premiadas homologadas até agora pela Corte, incluindo as 78 colaborações da empresa Odebrecht. Três delações ainda aguardam a homologação de Fachin.

Uma das homologações recentes de Fachin foi à do procurador financeiro Lúcio Funaro, testemunha-chave nas investigações que envolvem políticos do PMDB, entre eles o deputado cassado Eduardo Cunha, os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima e o presidente Michel Temer.

Já passaram pelo gabinete de Fachin mais de 150 inquéritos oriundos das investigações da Lava Jato, embora 74 tenham sofrido redistribuição para outros ministros do STF.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*