Reforma da Previdência | Fábio Campana

Reforma da Previdência

Até o final de outubro, a reforma da Previdência deve voltar à pauta. Com isso, informações do governo sobre a necessidade de tratar do assunto voltarão a circular.
O Planalto já deu destaque ao tema antes e gastou R$ 59,1 milhões em campanha publicitária. Mas, na época, pesquisas feitas pelo próprio governo mostraram que o investimento pode não ter surtido o efeito esperado.

Informações do Livre.Jor

Para saber como a população recebeu os vídeos da campanha, o governo encomendou duas pesquisas qualitativas a duas empresas. Elas foram realizadas entre fevereiro e março deste ano. A empresa Mood Pesquisa e Estratégia avaliou a campanha com 12 grupos – quatro por praça – em São Paulo, Porto Alegre e Recife. As pessoas que participaram dessa avaliação consideram a campanha “vaga” e com informações “genéricas demais, imprecisas, superficiais e para alguns até mesmo mentirosas”. Segundo os entrevistados, a campanha fala da necessidade e da urgência da reforma, mas não traz explicações sobre “como” ela vai acontecer, o que “gera medo e desconforto”.

Uma segunda pesquisa foi realizada pelo Instituto Análise com quatro grupos de até 12 pessoas – dois em São Paulo e dois em Porto Alegre. Esses participantes perceberam a campanha como “relevante” por se tratar “de utilidade pública”. Mas, em ambas as praças, as pessoas também questionaram a falta de explicação sobre como vão ocorrer as mudanças. Em Porto Alegre, os participantes ainda disseram que o governo quer impor “uma solução (a reforma) para a população de um problema que não foi a população que criou”.

A origem dos recursos que financiaram a campanha também é outro ponto de polêmica. Além da verba da Secom, a propaganda consumiu verba de outros dois ministérios.

Em dezembro, a Secom realizou um termo de execução descentralizada com o Ministério do Esporte para poder utilizar um total de R$ 7,5 milhões. Até o fim de junho, desse total, o governo já havia gastado R$ 6,6 milhões.

Do Turismo, foram utilizados, até então, R$ 4,75 milhões. Integrantes da oposição levaram a questão à Procuradoria-Geral da República (PGR), que, após avaliação, decidiu arquivar a denúncia por considerar que não havia ocorrido improbidade administrativa no caso.

Procurado para comentar os resultados das pesquisas e o uso da verba, o governo federal informou por nota que as “perguntas deveriam ser encaminhadas via LAI (Lei de Acesso à Informação)”. O prazo para retorno desses pedidos, porém, pode chegar a 20 dias.

*Essa é mais uma parceria do Livre.jor com a agência Lupa de fact-cheking em matéria de Juliana Dal Piva e Alexsandro Ribeiro. O texto foi publicado no site da Lupa e na versão digital da Folha de S.Paulo e impressa.


Um comentário

  1. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 18 de setembro de 2017 – 12:04 hs

    O que às vezes parece muito curioso nessa história da reforma previdenciária é que alguns poderes querem usar as operações contra corrupção como uma cortina de fumaça, ou quem sabe, um seguro contra a perda de benesses, vantagens e aposentadorias e pensões marajásticas. O futuro revelará.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*