Joesley é transferido de Brasília para São Paulo | Fábio Campana

Joesley é transferido de
Brasília para São Paulo


Avião que transportou Joesley leva Cunha a Brasília; Saud vai para Papuda

O empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, foi transferido nesta sexta-feira (15) de Brasília para São Paulo em um avião da Polícia Federal (PF), “em virtude de marcação de audiência de custódia”, por ordem do Juiz da 6ª Vara Federal de São Paulo na Operação Tendão de Aquiles. Ele chegou em São Paulo, no aeroporto de Congonhas, por volta das 11h40.

A Operação Tendão de Aquiles apura uso indevido de informações privilegiadas no mercado financeiro. A investigação se refere à venda de ações de emissão da JBS S/A na bolsa de valores, por sua controladora, a empresa FB Participações S/A, e à compra de contratos futuros e a termo de dólar no mercado financeiro.

As transações foram feitas em abril e maio, antes da divulgação dos áudios de conversas de Joesley com Temer e o senador Aécio Neves, que levaram a denúncias contra os dois.

O avião que transportou Joesley deve se encaminhar a Curitiba, para levar Eduardo Cunha a Brasília, para oitiva em “procedimentos que lá tramitam”, informou a PF.

De acordo com a PF, Ricardo Saud, por haver apenas mandado no STF, permanecerá em Brasília e será transferido ainda nesta sexta-feira para a Papuda, sem previsão de horário.

Joesley está preso desde domingo (10) após determinação do ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), a partir de indícios de que o delator omitiu informações do Ministério Público em seus depoimentos.

Na noite desta quinta-feira (14), Fachin decretou a prisão por tempo indeterminado do empresário e do executivo Ricardo Saud. Os dois cumpriam prisão temporária, mas o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu a conversão do mandado. Poucas horas antes, Janot havia anulado a imunidade penal que foi concedida por ele a Joesley e Saud.

A defesa dos acusados pediu ao Supremo concessão de liberdade aos acusados.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*