Desatino militar | Fábio Campana

Desatino militar

Editorial, Folha de S. Paulo

Fosse o Brasil uma democracia mais antiga, o comentário do general Antonio Hamilton Mourão sobre uma possível intervenção militar para resolver a crise política seria reduzido ao que é: um desatino de quem aprendeu a enxergar o mundo pelas lentes da caserna.

Como se diz, para quem só sabe usar um martelo, todos os problemas se parecem com um prego.

A democracia brasileira, contudo, ainda engatinha. Quase 30 anos depois de promulgada a Constituição Federal, ainda estão distantes os objetivos fundamentais da República: construir uma sociedade livre, justa e solidária; garantir o desenvolvimento nacional; erradicar a pobreza e reduzir as desigualdades; promover o bem de todos, sem discriminação.

As instituições, cuja estabilidade não deixa de ser apreciável, amargam todavia desgaste crescente. Executivo, Legislativo e Judiciário afogam-se em escândalos de corrupção e refregas incompatíveis com Poderes de Estado.

O golpe de 1964 e a ditadura militar ainda encontram simpatizantes entre setores minoritários, mas estridentes da sociedade; parte da população considera que a estabilidade democrática ainda não é um fato, mas um processo em curso.

Por tudo isso, o general Mourão jamais deveria ter dito o que disse. Logo ele, que em 2015, após fazer declarações políticas, perdeu o comando da região Sul e foi transferido para a secretaria de Finanças do Exército, uma função burocrática.

Ainda que a cúpula militar tenha dado ampla mostra de que compreende seu papel constitucional, e ainda que o general tenha falado num encontro fechado, as opiniões suscitaram forte e merecida reação da sociedade civil.

Diante dessa situação, a cúpula do Exército tinha duas opções. A primeira envolveria punir um oficial que se excedeu em sua retórica. Ao que tudo indica, considerou-se, talvez com razão, que essa saída forjaria um mártir —algo de que o país não precisa.

O comandante do Exército, Eduardo Villas Bôas, escolheu o caminho diplomático. Resolveu o caso com conversas internas e uma nota pública, na qual reiterou seu compromisso com a consolidação da democracia e afirmou que somente ele fala em nome da instituição.

O episódio terminou como começou: sem maior importância. Num contexto em que as Forças Armadas têm sido chamadas a agir na segurança pública, a polêmica ao menos serviu para mostrar que a sociedade se mantém vigilante e, nos termos da Constituição, não tolerará ação militar que não esteja subordinada aos poderes civis.


19 comentários

  1. sábado, 23 de setembro de 2017 – 18:41 hs

    O que tenho visto da Democracia brasileira? Só vejo roubos roubos e roubos do dinheiro publico,nada além de roubos,e a liberdade de ladroes roubarem a mao armada e o povo trabalhador recolhido atraz das grades de seu escritorio e sua casa,isto e DEMOCRACIA? Menos QItamar Franco os demais exPresidentes da Republica estao envolvidos com roubos

  2. sábado, 23 de setembro de 2017 – 18:42 hs

    Congresso Podre STF podre que Democracia e esta??

  3. Venezuelano.
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 18:50 hs

    Engraçado, quando o MST, MTST, líderes e outros desajustados do PT dizem que vão colocar seus exércitos de desocupados na rua para matar gente, ninguém condena. Mas, basta o exército querer colocar a casa em ordem que vem um monte de gente condenar e dizer que são contra a Democracia. O PT é que quer transformar o Brasil numa ditadura como a Venezuela. Por favor…

  4. Djair
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 19:03 hs

    Já passou da hora de ter uma intervenção militar nesse país, políticos não tem amor ao próximo, não tem intenção em melhorar a vida do povo brasileiro, pensam somente em seus bolsos gordos cheio de dinheiro público. Demorou alguém tomar atitude contra esse sistema falido…

  5. Djair
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 19:05 hs

    Democracia serve então somente para bandidos travestidos de políticos!

  6. Viezzer
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 19:17 hs

    E o golpe de 1889?

  7. FCarraro
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 19:26 hs

    Não sou nem nuca fui a favor de intervenção militar, mas por favor, me mostre o que se pretende fazer e como acabar com a indústria da corrupção que tomou o país. Legislativo, Executivo, Judiciário e Empresarial compõe um só corpo unido na corrupção plena, onde todos fizeram dos cofres públicos seu caixa donde se abastecem a seu bel-prazer, roubando da educação, segurança e principalmente da saúde os recursos que recolhemos através de impostos elevadíssimos. Esses homens e mulheres que assim procedem não são somente simples ladrões ou corruptos; são assassinos sem arma de fogo e perigosíssimos. Como cessar com tudo isso e voltarmos ao caminho da verdade e da justiça, se a todo instante ao puxarmos uma pena não vem uma galinha como foi dito, mas sim uma granja inteira?
    O mal continua diuturnamente sendo praticado, todos os noticiários nos mostram isso desde o amanhecer do dia a madrugada seguinte. Eles não conseguem parar! Reforma política? A quem acham que enganam? Então, o que e como se pretende acabar com isso?

  8. Gentil
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 19:41 hs

    As forças armadas brasileiras estão esperando o seu
    momento! Só não viramos Venezuela poruqe as FFAA não foram cooptadas pela esquerda!

    Elas sempre estiveram a frente do destino do
    pais desde sua fundação! Mesmo quando politicos pensavam
    que estavam por cima, vinha as forças armadas e os
    tiravam! Aconteceu isso em 1822 quando eles não deixaram
    o brasil ir para as mãos dos falsos republicanos da época
    e para não dividir o pais, eles colocaram o Imperador Dom
    Pedro 1 e em 1842 quando conseguiram por pressão
    antecipar a maioridade do imperador Dom Pedro 2,
    infelizmente eles tiraram o Imperador em 1889, “muitos
    falam que dona Isabel iria passar o comando do pais para
    seu marido “conde D edu” que não era brasileiro e se
    poderia abrir as portas para uma recolonização das terras
    tupiniquins!””

    Mais infelizmente eles passaram para uma
    elite que foi a desgraça desse pais até hoje! Tentaram
    tirar ela em 1930, quando ela se sentia intocavel!

    Colocaram dr Getulio mais quando esse começou a dar apoio
    aos nazistas e facistas e colocar a integridade do pais
    mais uma vez em perigo, ele foi tirado em 1945, mais não
    foi morto ou exilado porque tinha muita admiração poderia
    em um futuro, “como aconteceu” , ser colocado como peão
    mais uma vez!

    Mais dr Getulio quis ir para o rumo dos
    socialistas do pcdob em 1948 mais só foi demostrar seu
    compromisso com os comunistas 4 anos depois, mesmo
    reconquistando a confianças dos militares!

    Em 1954 tentaram tirar Getulio mais o mesmo se matou e para não
    gerar um grande estresse nacional, eles preferiram as
    eleições mesmo com forte desejo de tirar a corja que
    estava ali, com isso os militares aprenderam lições
    valiosas de governança como tambem getulio bem ou mal,
    montou a base que seja o governo militar e a economia e
    estrutura do governo militar, tirando o fato de não mais
    deixar uma só pessoa no poder evitando um certo populismo
    e também não dando-lhe todos os poderes sem limites para
    um governante!

    Em 1964 eles conseguiram a brecha que
    queriam e conseguiram estabilizar o pais em menos de 10
    anos, mais cometeram erros nesse percurso como manter os
    comunistas vivos e como pessoas que os apoiavam, não ter
    dominado a midia direito desde o funcionario da limpeza
    ao patrão e de principalmente não ter estado na cultura,
    escolas e faculdade colocando seu pessoal para fazer os
    movimentos culturais nâo dando brecha a ideologia
    revolucionaria entrar e ainda eliminando os conservadores
    e politicos de direita do pais!

    Acredito que tudo que vem ocorrendo desde 1975 vem sendo
    estudado, acompanhado e debatido pelo exercito ha muito
    tempo e a duras penas, jogando esse jogo psicopata e
    masoquista que é o jogo da esquerda, aprendendo em cada
    passo e área que eles atuam para poder na hora certa
    combate-los nas frentes de batalha e ao mesmo tempo
    esperando eles errarem e colocar seus pés pelas mãos e
    perde o apoio do povo brasileiro enfraquecendo-os e
    voltando a força e ao gosto do povo brasileiro, os
    militares e nosso patriotismo!

    Acho que os militares não
    vão voltar por meio de uma intervenção pois seria muito
    traumático para o pais ainda poria a perder tudo, a não ser que haja caos ou ruptura institucional !

    Eles vão entrar da mesma forma como a esquerda
    entrou e vão tirar a esquerda da mesma forma como ela os
    tirou! Sutilmente! Eles tem seu “homem forte”B”, eles vem
    a muito tempo montando sua estrutura cultural e de
    governabilidade testando isso dentro da própria
    instituição desde escolas, jornais, faculdades, peças de
    teatro, filmes, radios, jornais, filmes e documentarios!

    Eles foram aprendendo e aperfeiçoando para quando a hora
    chegar! Esperem que 2018 esta chegando e muitas águas vão
    rolar, e por enquanto eles vão jogando esse jogo de
    gatinho e moçinha e deixando a esquerda ir se afundando!

    A esquerda acha que e dona do poder! Os globalistas acham
    que são donos do poder! Mais eles não enxergam que quem é
    o verdadeiro dono do Brasil não são eles e tão pouco o
    povo brasileiro! E sim os militares! (JRBJ)

  9. Helena
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 20:02 hs

    Prefiro um governo militar a um governo corrupto. Para implantar a total democracia de que tanto pregam, não é necessário uma liberdade avassaladora como estamos vivendo neste momento, a democracia não se pode confundir com o vale tudo, como roubar, mentir, enganar, comprar o eleitor, e principalmente o legislativo e o judiciário, sendo às vezes com altos cargos , ou com muita benesses, para seus apadrinhados.
    A democracia é como uma jogo de xadrez, ora fazer uma jogada, e andar para traz, ora avançar novamente para conquista de uma grande vitoria. Somente uma intervenção, neste momento, onde os poderes estão fragilizados, o legislativo altamente comprometido com os governos que tivemos durante a abertura realizada por João Batista Figueiredo, e que o mesmo disse, que, os brasileiros ainda sentiriam saudades suas, pois é isso mesmo que está ocorrendo.
    Todos os brasileiros honestos, trabalhadores que amam sua pátria, sentem saudades de tudo de bom que existia na epoca do governo militar, EXCETO os que que queriam a desestabilização para usufruírem da matéria prima que é fabricada pelo caos que existia no passado e que ultimamente com a falsa democracia, que vivenciamos, tem-se de sobra noticias de escândalo mais escândalos da maioria dos elementos que compoem os que mandam no País.Sem contar que o Brasil se

  10. g
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 20:08 hs

    30 anos….30 anos de democracia e da forma que escreves até parece que estamos criando ou inventando algo novo, que nunca foi implantado em lugar algum do Universo. O problema não foi a manifestação de um General, que na verdade reflete o sentimento da maioria esmagadora da população brasileira, o problema é que confundiram democracia com baderna e quando isso ocorre vão reclamar dos militares no regime militar e de juízes na democracia.
    Brasileiro é ótimo em assimilar direitos mas péssimos para assimilar deveres…..

  11. Helena
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 20:12 hs

    continuando…Sem contar que, o Brasil está caminhando para um caminho que os mais politizados não desejam, da Venezuela, Cuba entre outros de ditaduras de esquerda.Precisamos de justiça verdadeira, ladrões, corruptos e os que desejam uma ditadura comunista. Para sanar essas insanas más intenções somente da esquerda brasileira, somente a INTERVENÇÃO MILITAR resolve.

  12. Sem Medo
    sábado, 23 de setembro de 2017 – 21:34 hs

    Desatino é ler este artigo, desatino é ver, ouvir e ler o quanto o Brasil esta atolado na merda. Tome vergonha na cara antes de escrever merdas.

  13. Do interior
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 8:23 hs

    A Dilma caiu por falta de apoio. Quando a população estiver apoiando os militares, logo ocorrerá a intervenção militar. E não está longe.

  14. jose
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 10:55 hs

    Intervenção já é destituição do congresso, ninguém governa com este CN.

  15. Milico da Pesada
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 10:56 hs

    MOURÃO PEGOU LEVE! TÃO LEVE, QUE O COLOCO NO LIMIAR DE ENTRAR PARA O VERGONHOSO “CLUBE DOS BUNDÕES” DO GLORIOSO EXÉRCITO BRASILEIRO, AQUELES OFICIAIS GENERAIS QUE BATEM CONTINÊNCIA A BOSTAS COMO LULA E TERRORISTAS DE ARAQUE, COMO DILMA!

  16. Rock
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 14:35 hs

    Gente doente escolhem um congresso corrupto que negocia conforme a melhor oferta ajudam derrubar governos eleito democraticamente e depois saem em busca de soluções fáceis como apoiar golpes militares achando que isso é a solução para tudo. Quanta pobreza de conhecimento histórico e vem com esse papinho que tudo esta perdido que preferem os militares que isso que esta acontecendo se acordem manés querem os militares coloquem um representante deles para disputar nas urnas façam a coisa certa e fazendo isso estarão fazendo o que se chama democracia.

  17. luiz
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 15:06 hs

    Vá escrever asneira assim na puta que os pariu. Jornaleco de mierda. Da-lhe General. Vamos botar essa corja safada e corrupta pra fora do Brasil.

  18. FCarraro
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 16:02 hs

    Parece-me que, conforme os comentários aqui postados, ninguém concorda com o editorial da Folha de São Paulo. Chamo a isso pesquisa legitima…

  19. Rr
    domingo, 24 de setembro de 2017 – 16:41 hs

    O povo de bem que se resume hoje em 90% é a favor de uma intervenção militar,é só fazer uma enquete e tera a prova,só o lixo,só os bandidos são contra.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*