Às vezes perguntar ofende | Fábio Campana

Às vezes perguntar ofende

Lembra de Aldemir Bendisse, o ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil que virou réu na Lava Jato?
Pois bem, ele é aposentado pelo Banco do Brasil: R$ 62,4 mil por mês.
Ainda assim, recorreu ao banco para que pagasse sua defesa na Lava Jato. A instituição respondeu que não tem nada com isso, já que as acusações contra ele são do tempo em que presidia a Petrobras.
Ele resolveu passar o chapéu na Petrobras, a resposta: só paga a defesa dos ex-funcionários quando o processo está relacionado a atos de gestão, o que não é o caso do ex-dirigente.
Bendine está preso desde 27 de julho em Curitiba, foi denunciado por corrupção e teve R$ 3,4 milhões bloqueados pela Justiça.
Estou enganado ou é uma afronta ele solicitar das estatais a grana para sua defesa?

(Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)


4 comentários

  1. Azedo
    segunda-feira, 4 de setembro de 2017 – 11:40 hs

    O vagabundo rouba a Petrobras e rouba o Banco do Brasil por conta própria (não foi a mando de nenhuma dessas empresas) e vem pedir que paguem sua defesa por roubá-las?

    Mas vai ser cara de pau lá na putaqueopariu! Que recorra à defensoria pública!

  2. Simões
    segunda-feira, 4 de setembro de 2017 – 11:53 hs

    A total falta de vergonha na cara destes seguidores do PT e assemelhados leva a desfaçatez e a cara de pau de pedir esse tipo de coisa. E fica a pergunta: se existe um teto de salário para o funcionário público, como este crápula ganha mais do que ele?

    Perdeu-se o pudor e o respeito ao povo brasileiro.

  3. Juca
    segunda-feira, 4 de setembro de 2017 – 12:58 hs

    Porque o bosta não pede dinheiro para a amante Val Marchiori, aquela que tomou uma fortuna emprestada a juros baixíssimos do Banco do Brasil favorecida por ele?

  4. Político
    segunda-feira, 4 de setembro de 2017 – 14:22 hs

    Lula e o PT criaram esse tipo de monstro devorador de recurso públicos. Ou, pelo menos, facilitaram a sua proliferação.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*