Vitória de Temer prorroga a crise | Fábio Campana

Vitória de Temer prorroga a crise

Editorial, O Globo

A atuação do governo, dando encaminhamento favorável a reivindicações de deputados e bancadas, mostrou-se eficaz para garantir a vitória ao presidente Michel Temer na sessão de ontem da Câmara, impedindo o Supremo Tribunal de analisar a denúncia de corrupção passiva que pesa contra ele, elaborada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Por fim, 263 deputados ficaram a favor de Temer e 227, contra. Seriam necessários 342 deputados para levar a denúncia ao Supremo.

Foi um erro, como defendido ontem pelo GLOBO. Isso porque a ética deve prevalecer sobre quaisquer outros aspectos, e a lei precisa ser aplicada independentemente de pessoas, partidos e ideologias. A votação de ontem foi de fundo político, pode-se argumentar, mas a vitória de Temer transmite para a sociedade a ideia de que pesos e medidas mudam a depender de quem estiver em questão.

O argumento de que a manutenção de Temer no Planalto é necessária para garantir a estabilidade vem sendo repetido à exaustão, e foi o que aconteceu em vários pronunciamentos de deputados da base do governo na sessão de ontem, presidida por Rodrigo Maia.

No pronunciamento feito pelo advogado de Temer, Antonio Cláudio Mariz, na abertura da sessão, foi dito que a “armação” contra o presidente ocorreu no momento em que o país avançava. Subentende-se que a permanência de Temer garantirá a retomada daquela tendência positiva.

É uma ilusão. Porque é certa pelo menos mais uma denúncia contra o presidente pela PGR, que deve acusá-lo de obstrução da Justiça, no caso do pagamento de propinas ao ex-presidente da Câmara, o ex-deputado Eduardo Cunha, e ao operador financeiro Lúcio Funaro, para que ambos permaneçam em silêncio e não façam acordos de delação premiada.

O assunto é mencionado na conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista, gravado por este, em uma noite de março, nos porões do Palácio do Jaburu. Um dos donos do grupo JBS, Joesley relata a Temer que ajuda Cunha e Funaro, e é logo encorajado pelo presidente: “Tem que manter isso, viu?”

Depois, na delação propriamente dita ao Ministério Público, o empresário revelou que já entregara R$ 5 milhões ao ex-deputado fluminense e repassava R$ 400 mil por mês a Funaro, conhecido por ser operador financeiro do PMDB, provavelmente do próprio Temer.

A apresentação de mais uma denúncia — com a possibilidade de haver uma terceira, sobre organização criminosa — reativará a crise política, e o governo mais uma vez será obrigado a concentrar esforços para que aconteça o que houve ontem: que a Câmara rejeite a autorização a fim de que o Supremo analise a acusação da PGR.

O ambiente de crise manterá a hostilidade à aprovação de emendas essenciais ao país. Caso da reforma da Previdência, a mais importante causa do descontrole dos gastos públicos. Em vez de votar no Congresso o que é necessário, o governo terá as energias drenadas, mais uma vez, pela crise. Um mal para o país, contra a retomada do crescimento, para amenizar o desemprego e fazer o Brasil retornar aos trilhos.

Depois de dois anos de grande recessão (8%, índice histórico, e queda de 10% na renda per-capita), a economia parou de cair, mas não ganha tração para se recuperar na velocidade necessária a fim de reduzir um desemprego de ainda 13 milhões de pessoas. Estabilizar o quadro político é crucial para se avançar na agenda das reformas e ajudar a economia.

A própria fragilização de Temer, ao negociar apoio na Câmara contra o pedido da PGR de abertura do processo, já colocou sob ameaça avanços na reforma trabalhista. O imposto sindical, por exemplo, eliminado de forma acertada, pode ressuscitar por medida provisória, batizado com outro nome.

A decisão soberana da Câmara prorroga a crise, em vez de saná-la. O Brasil, porém, até aqui mostrou que é maduro para enfrentar a situação. Como este jornal vem reiteradamente afirmando, não há outro remédio a não ser seguir a Constituição.

É ela que dá o mapa para transitarmos por tempos tão complicados.


9 comentários

  1. Viezzer
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 9:47 hs

    Dilma caiu por coisa bem menor.

  2. Piolho
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 10:16 hs

    Crise, Campana? Crise mesmo você veria se o filho do César Maia assumisse a Presidência da república!!! Você é outro QUE EMBARCOU NA HISTORINHA MAL CONTADA DA GLOBO E DO PT!!

  3. Jotinha
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 10:17 hs

    Não foi um erro; foi um jogo politico; e a votação não impede o judiciario de analisar e julgar a condição de crime. É diferente do processo da Dilma, o dela foi simplesmente para tira-la do cargo.

  4. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 10:25 hs

    Papo furado. Essa rede pretende assenhorear-se da vontade popular. Sabe que foi derrotada e seu poder de influenciar as próximas eleições foi muito diminuído com este resultado. Vai ter que ensacar a viola.

  5. Simões
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 11:01 hs

    Este rede que acha que manda no Brasil, não conhece a palavra LEALDADE, pois sempre esteve ao lado do poder a fim de levar algum. Portanto, não tem moral para falar nada. Igual aos sr. Joeslei Batista que veio a público dizer que foi uma vergonha o dia de ontem. Ora, vergonha é ele ter roubado o que roubou do povo brasileiro e estar na rua, deveria é estar na CADEIA que é o lugar de bandido.

  6. Veredito
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 11:05 hs

    Como pode a Rede Globo falar em ética e moral? Ela mesma é a prova viva da desonestidade e do conluio com a corrupção, com o vício, com a demagogia, com a imoralidade em suas programações onde o sexo fácil e a bigamia é uma realidade.

  7. Moisés Fróes
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 11:28 hs

    A Organização Globo quer derrubar Temer pelo motivo de ter secado a boquinha no BNDES, como também o Joesley secou. Nos tempos dos corruptos do PT – Lula e Dilma – faziam o que queriam no/do BNDES, claro com propinas. a Lava Jato ainda vai chegar nessa Rede Globo, criminosa que é.

  8. Paulo Vendelino Kons
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 12:18 hs

    Concordo Fábio:

    Vitória de Temer prorroga a crise da REDE GLOBO!

  9. Parreiras Rodrigues
    quinta-feira, 3 de agosto de 2017 – 12:19 hs

    Mas o PT e seus satélites persistem na pernóstica missão de fazer o povo creditar ao atual governo, a maior recessão de toda história da Economia brasileira, que resultou em bruta inflação, juros altos, estagnação da indústria e do comércio com o consequente desemprego de 13.000.000 de trabalhadores.
    Ontem, além de outros, a deputada carioca petista Benedita da Silva se esmerou nessa tarefa quando encaminhou o seu voto.
    É pretender estupidificar a inteligência do mais desinformado dos brasileiros.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*