Quid pro quo na Lava Jato | Fábio Campana

Quid pro quo na Lava Jato

Em relatório enviado ao juiz federal Sérgio Moro, a Polícia Federal criticou acordos de delação premiada firmados pelo Ministério Público Federal (MPF) com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, o doleiro Roberto Youssef e o lobista Fernando Falcão, o Fernando Baiano, em inquérito contra o ex-ministro Antônio Palocci; “No presente caso, os colaboradores em nada auxiliaram os trabalhos investigativos, muito embora tenham sido beneficiados para tanto. Pelo contrário, auxiliaram apenas na manutenção de investigação com pouquíssima perspectiva de resolução”, diz o relatório


Um comentário

  1. eleitor desmemoriado
    quarta-feira, 9 de agosto de 2017 – 20:03 hs

    Mas porquê a PF fez aquele acordo com os irmãos açougueiros? Aquele valeu e estes não?

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*