Pleito descabido | Fábio Campana

Pleito descabido

Editorial, Folha de S. Paulo

A elite do funcionalismo federal é composta por categorias que, além de elevadas responsabilidades e qualificações, dispõem de formidável poder de barganha —por motivos óbvios, a classe política evita ao máximo contrariar delegados da Polícia Federal, auditores fiscais, procuradores ou juízes.

Não por acaso, costumam partir desses estratos superiores do quadro de pessoal as pressões mais eficazes por reajustes salariais, que cedo ou tarde são estendidos ao restante das corporações.

Agora mesmo, o Ministério Público decidiu pleitear um descabido —em tempos de desemprego alto e cortes gerais de despesas— aumento de 16,38%, no que foi seguido por associações do Judiciário.

Tal benesse elevaria os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal, os mais altos do serviço público nacional, de R$ 33,8 mil para R$ 39,3 mil.

É auspicioso que a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, tenha sinalizado que não cederá à demanda corporativa. A concessão acentuaria ainda mais os desequilíbrios na folha de pagamentos e ameaçaria o cumprimento do teto fixado para as despesas federais.

Estudo da Instituição Fiscal Independente, órgão instituído pelo Senado, mostra que o Legislativo e o Judiciário aproximam-se de extrapolar o limite máximo de gastos —correspondente ao dispêndio deste ano, corrigido pela inflação— já em 2019.

No ano passado, a fatia orçamentária dos encargos com pessoal ativo e inativo atingiu 88% no Congresso, 84% na Justiça e 81% no Ministério Público. Novos reajustes salariais, é óbvio, elevariam ainda mais essas proporções.

Não se discute que juízes, procuradores e outros funcionários de alto gabarito mereçam ser bem remunerados. Há, porém, que estabelecer prioridades para o uso de recursos escassos, ainda mais quando se estima que a escalada da dívida do governo, causa maior da crise econômica, só deverá ser interrompida na próxima década.

A elite do funcionalismo já desfruta de estabilidade no emprego e condições de vida mais que confortáveis. Enquanto isso, o país enfrenta carências em setores cruciais como educação básica, saúde, saneamento, mobilidade urbana e infraestrutura de transportes.

Uma alocação mais eficiente dos recursos do Estado deveria priorizar programas e ações capazes de reduzir a desigualdade social no país —e não de elevá-la.


6 comentários

  1. Palpiteiro
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 12:03 hs

    É uma das razões pelas quais é quase impossível reformar a previdência dos insaciáveis.

  2. Sergio Silvestre
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 12:45 hs

    Claro,o poder no Brasil é mantido por achacadores federais,ou nos dá salários e benesses escandalosas ou nós derrubamos o governo,é assim e assim será ate que uns generais se rebelem por isso e faz esses malandros correrem do Brasil,mas me parece que eles tambem estão sendo contemplados,então é melhor o povo começar amolar os facões e foices.

  3. Juventino goulart
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 14:46 hs

    Fora estabilidade
    Fora auxílio aluguel
    Fora pGto.ferias
    Fora privilégios
    Fora marejas dinheiro público
    Judiciário do Paraná vergonha Brasil

  4. eleitor desmemoriado
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 15:17 hs

    Mas tais pelitos podem muito bem serem parados tanto pelo Congresso Nacional quanto pelo presidento. Então saídas há , o problema é saber se elas serão ou não usadas. Infelizmente à nós, os verdadeiros empregadores desta gente toda só nos tem cabido reclamar e pagar a conta.

  5. Marla Brant
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 17:47 hs

    Máfias de preto… assaltam os cofres públicos com sua corrupção institucionalizadas…. pixuleco auxílios…. fora as propinas… máfias de falências….. compra de sentenças e outras porcarias do PJ e MP

  6. Florzinha
    segunda-feira, 7 de agosto de 2017 – 17:46 hs

    Ufa ! Até que enfim tocamos num dos assuntos que é o âmago da questão.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*