Moro determina novo bloqueio de bens de João Santana e esposa | Fábio Campana

Moro determina novo bloqueio de bens de João Santana e esposa

O juiz da 13ª Vara Federal em Curitiba, Sérgio Moro, determinou nesta segunda-feira que os R$ 10 milhões de contas do marqueteiro do PT João Santana e de sua esposa, Mônica Moura, permaneçam bloqueados pela Justiça. Moro reviu uma decisão que ele próprio havia tomado na última semana, quando determinou o desbloqueio de valores a pedido do casal, que alegava passar dificuldades financeiras para quitar gastos pessoais e honorários de advogados.

Moro reviu a decisão a pedido da Fazenda Nacional, que alegou haver medida cautelar da 18ª Vara Federal da Bahia com decreto de indisponibilidade dos mesmos bens, o que impediria o desbloqueio decidido pelo juiz de Curitiba. A própria Fazenda Nacional havia solicitado a indisponibilidade dos bens a Moro em outro processo, pedido que ainda não teria sido apreciado pelo magistrado. As informações são d’O Globo.

“Assiste razão a Fazenda na reclamação, pois este juízo, por lapso e diante do grande número de processos perante este juízo, autorizou a liberação do numerário sem antes ter apreciado o requerido. Mas isso será feito em breve no processo próprio”, escreveu Sérgio Moro.

Segundo o juiz, “em vista da referida decisão na medida cautelar fiscal exarada por outro juízo, fica prejudicada a liberação dos aludidos dez milhões de reais”.

No pedido original, a defesa do casal solicitava o desbloqueio de todo o valor retido pela Lava-Jato, isto é, R$ 25,5 milhões. O Ministério Público Federal (MPF) se opôs à liberação de qualquer quantia, por entender que a repatriação da conta do casal na Suíça ainda estaria em estágio inicial. Moro havia aceitado liberar R$ 10 milhões, por entender que não era justo “penalizar os colaboradores, que fizeram a sua parte no que se refere ao acordo”.

O casal Santana foi preso em fevereiro de 2016, depois que o número de uma conta mantida pela dupla na Suíça foi encontrado em bilhete que estava na residência de um fornecedor da Petrobras.


Um comentário

  1. Eduardo Carmona
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 7:41 hs

    Tem que bloquear mesmo. Devolver o dinheiro do povo

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*