Globo vai atacar privilégios de juízes e procuradores | Fábio Campana

Globo vai atacar privilégios
de juízes e procuradores

Do Aroldo Murá

Fonte da afiliada da TV Globo, no Paraná informa que a emissora prepara uma série de reportagens para confrontar os privilégios de juízes e procuradores em todo o Brasil. O assunto ganhou força nas reuniões de pauta após a decisão do Conselho Superior do Ministério Público de conceder aos procuradores federais um reajuste de 16%. O efeito-cascata já é previsto em todos os estados.

Comentaristas da Globonews já vem criticando o sem número de auxílios concedidos a juízes e desembargadores, inclusive indenizações integrais com acréscimo de um terço a férias de até 60 dias não desfrutadas.

Funcionários públicos alegam que a estabilidade e os privilégios do cargo vieram com a aprovação em concurso. É um julgamento errôneo. O concurso foi estabelecido para evitar, em palavras rasas, o “empreguinho arranjado”, mesmo que esse obstáculo seja frequentemente contornado na esfera pública. A estabilidade é uma forma de garantir a legalidade, a impessoalidade, a razoabilidade e a eficiência. Não serve, de modo algum, como diz o jornalista ouvido, ‘para amealhar privilégios de toda sorte.’


9 comentários

  1. Juventino goulart
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 14:50 hs

    Começe pelo MP pr.
    Penduricalhos que não divulgam
    Auxílio aluguel 5.000
    Interior aluguel custa 2.000
    Quando são casados marido e mulher recebe,
    Férias reçebidas fora os recessos
    Recebem justiça eleitoral e quem faz tudo e o cartório

  2. Juventino goulart
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 14:50 hs

    Justiceiros mais atrapalham do que ajudam

  3. Rr
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 15:00 hs

    Essa globosta tdm que contar ao povo,quanto ela ganhou de presente do ladrão de nove dedos,foram treze anos sonegando impostos.

  4. eleitor desmemoriado
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 15:07 hs

    Estes palhaços da Poderosa querem criar problema onde hoje não existe. Membros dos poderes Judiciário e algumas categorias funcionais e contavam com este benefício, a estabilidade no emprego. E por razões óbvias. Infelizmente o caçador de marajás estendeu tal benefício às demais categorias do Serviço Público Federal. Agora não só juízes, procuradores e fiscais federais contam com este benefício. O resto veio por acréscimo. O erro está em não se aplicar adequadamente a lei, lugar de ladrão e corrupto nunca foi no Serviço Público.

  5. Palpiteiro
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 17:14 hs

    O serviço público, especialmente as categorias de altos salários, são uma âncora que vai afundar o país. Tem que acabar com estabilidade, vitaliciedade e outras “dades” dos servidores, saprófitas da economia brasileira.

  6. Viezzer
    domingo, 6 de agosto de 2017 – 19:18 hs

    Vamos ver se a Globo terá coragem.

  7. Doutor Prolegômeno
    segunda-feira, 7 de agosto de 2017 – 12:33 hs

    No Brasil, o tabu mais poderoso do que mexer com direitos trabalhistas é mexer com os privilégios do alto barnabelato, a nobreza do funcionalismo público. O marajoato de todos os poderes e seus anexos são a causa principal da falência do Estado e da previdência. De norte a sul, de leste a oeste, no Brasil os marajás estão em todos os entes do Estado brasileiro. De carros oficiais a férias de 60 dias, adicionais sem fim, penduricalhos, auxílios de todos os gêneros, planos de saúde gratuitos e centenas de badulaques que se acumulam nos vencimentos régios. No fim as aposentadorias aos 50 e poucos anos, onde se contam até os anos de escotismo e de catequese. Um apetite sem fim.

  8. zani
    segunda-feira, 7 de agosto de 2017 – 12:40 hs

    É dificil acreditar que esses privilegios insaciaveis acabem. Todos querem explorar quem trabalha de verdade neste pais.

  9. Fidel entumecido
    segunda-feira, 7 de agosto de 2017 – 17:37 hs

    Essa é uma causa pra abraçar e sair às ruas. Cambada de pilantras safados, gananciosos, egoístas, mentirosos, safados, ah, safados já tinha falado…

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*