"Fundão", o maior do mundo | Fábio Campana

“Fundão”, o maior do mundo

O relator da reforma política, Vicente Cândido (PT-SP), contou lorota ao afirmar ontem que o valor do “fundão” de R$3,6 bilhões retirados dos cofres públicos para custear campanhas eleitorais, “está em sintonia” com “grandes democracias”. Não é verdade. Os R$3,6 bi que ele imagina tungar do Tesouro Nacional é mais dinheiro que a soma do custo das eleições na Alemanha, no México e nos Estados Unidos. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O “fundão” deve retirar dos cofres públicos R$11,2 bilhões a cada quatro anos. Nenhuma eleição no mundo custa tanto dinheiro.

Os EUA têm a eleição mais cara: US$2,5 bilhões (R$7,9 bilhões) para eleger o presidente. Mas nenhum centavo sai dos cofres públicos.

A eleição na Alemanha custa 450 milhões de euros (R$1,6 bilhão) por cada um dos quatro anos da legislatura. Só um terço é dinheiro público.

O ciclo eleitoral no México, em 2015, custou US$558 milhões (R$1,7 bi), segundo o jornal El Universal, tudo pago com dinheiro público.


2 comentários

  1. Franchico
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 16:11 hs

    O pior, é que um grande percentual deste fundão vai ser desviado para o bolso desses canalhas vagabundos ….

  2. Gustavo Hoffman
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 17:16 hs

    De fato, um absurdo o valor do fundo para bancar campanhas eleitorais. A justiça fiscaliza ou pouco fiscaliza a aplicação correta desse dinheiro. O fundo existe porque o povo não toma vergonha na cara e acostumou pedir dinheiro e vantagens pra político. O dia que a justiça fiscalizar e prender quem pedir dinheiro, teremos outro mecanismo importante de combate à corrupção. Não pensem que a grande maioria do povo é diferente dos políticos, o povo e corrupto e sem vergonha também! Em publico crítica os políticos e quando fica olho no olho perde a vergonha e quer uma parte do dinheiro oriundo do fundo partidário, do caixa 2 etc!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*