Dodge pede suspensão de seu auxílio-moradia e causa rebuliço na PGR | Fábio Campana

Dodge pede suspensão de seu auxílio-moradia e causa rebuliço na PGR

via Blog do Lauro Jardim

Raquel Dodge enviou um ofício a Rodrigo Janot pedindo a suspensão imediata do pagamento de seu auxílio-moradia até que fosse analisada a LDO de 2017.

Em um dos trechos, o texto afirma ser vedado o pagamento do benefício a integrantes do Ministério Público Federal que não atenderem a critérios tais como ter sido transferido de cidade ou não possuir imóvel funcional disponível para atender o servidor.

O assunto vazou e gerou alvoroço em grupos de mensagens de procuradores, receosos de perderem o benefício.

Avaliaram que se a futura PGR abrisse mão do auxílio-moradia, a atitude poderia abrir caminho para a exclusão do pagamento não só dos procuradores federais, como também de outras carreiras do Judiciário.

Chegou a circular trecho da sua plataforma de campanha, na qual Dodge se comprometia a manter o pagamento do auxílio-moradia como é feito hoje.

Mas os procuradores podem ficar tranquilos. Janot encaminhou o assunto à Consultoria Jurídica da PGR, que respondeu não haver justificativa para a suspensão do pagamento.

Segundo o parecer, a LDO de 2017 não difere em nada das LDO’s de anos anteriores, e faz restrições apenas pontuais.

Dodge não respondeu ainda se, sendo assim, quer manter suspenso o pagamento do seu ou não.


8 comentários

  1. FUI !!!
    quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 7:42 hs

    A Procuradora está corretíssima. Atitude raríssima porque a grande
    maioria pensa que receber é o que importante e o resto que se fo#a…

  2. quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 8:46 hs

    Agora convoco a todos os procuradores e promotores em demonstrar o patriotismo e caráter de homens sérios e preocupados com o futuro do Brasil.

    Seguindo o Exemplo e suspendendo essa imoralalidade.

    A grande chance de mostrar a classe política que vocês são diferentes.

    Se continuam a receber são iguais.

  3. Veredito
    quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 8:51 hs

    Gestei desta atitude. É dando exemplo que podemos cobrar a mesma coisa de nossos subordinados ou daqueles que nos olham como espelho. Parabéns Procuradora!

  4. Franchico
    quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 9:55 hs

    Muito bem Srª. Procuradora.
    Acho que este auxílio deveria realmente ser pago somente aos transferidos de cidade, pois esta classe, já é a mais bem paga do País.

  5. Doutor Prolegômeno
    quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 10:39 hs

    Ué. Os acusadores de todo mundo não cumprem a lei? Que feio.

  6. Eleitor
    quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 10:46 hs

    Auxílio moradia para quem ganha em média, R$ 33.000,00 por mês, trabalha meio expediente, com férias de 60 dias por ano, sem contar os recessos: R$ 4.350,00. Salário mínimo de quem trabalha 8 hrs por dia em situação precária, R$ 937,00. Acho que a Procuradora percebeu a desfaçatez, e tomou essa atitude. Antes tarde do que nunca. Parabéns, pois este penduricalho -existem outros- é vergonhoso.

  7. NILSO ROMEU SGUAREZI
    quinta-feira, 17 de agosto de 2017 – 12:25 hs

    Completado o quinto ano de paralização, o que já se poderia chamar não Pedido de Vistas, mas verdadeiro e autentico Pedido de Perder de Vista, além de claro abuso de autoridade e comprovado crime de responsabilidade pelo Min.Luiz Fux que tem o dever ético e obrigação legal de ser diligente na sua conduta, mas a mais de cinco anos esta impedindo o julgamento pelo STF que não terá outra saida que declarar a inconstitucionalidade dos super salários da magistratura;

    Veja-se a gravação da Sessão do STF, de 17-05-2012, especialmente o voto do relator Ministro Aires Brito declarando a inconstitucionalidade. (https://youtu.be/QrEa8MdRuig).

    Ocorre que naquela ADIN 4393, o Procurador-Geral da República questionava a constitucionalidade da Lei nº 5.535/2009 do Estado do Rio de Janeiro, sancionada pelo hoje presidiário Cabral, que afrontou a Constituição Federal, quando foram criados os “supersalários” da magistratura carioca e que depois se alastraram para todos os estados, como vem acontecendo e se pode acompanhar pelo noticiario de casos estarrecedores que Juizes e Desembargadores chegam a receber salário de verdadeiros marajas.

    Por outro lado, o que mais espanta e passou a chamar atenção do Povo Brasileiro, foi a dualidade de comportamento do atual Procurador Geral da República, tão cioso, corajoso e ágil em denunciar membros de outros Poderes, mas neste caso em que o art.127 da CF, lhe exige “a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis” ja expirando seus dois mandatos, la se vão quatro anos frente da PGR, e o Senhor Janot, que se arrosta ter a caneta cheia até setembro deste ano, apenas mantem um ensurdecedor e sepulcral silencio e, porque não dizer, uma oportuna conivência e convivência no crime de responsabilidade do Min. Fux, claramente tipificado no art. 40, nº3, da Lei do Impeachment a mesma que cassou o Color e a Dilma – Lei nº 1.079, de 10 de abril de 1950, diga-se de passagem, muito bem conhecida na Suprema Corte, que tem ocupado constantemente a mente dos Ministros do STF, quando decreta:
    “Art. 39. São crimes de responsabilidade dos Ministros do Supremo Tribunal Federal:
    …………………………….
    2 – Proferir julgamento, quando, por lei, seja suspeito na causa;
    ……………………………..
    4 – Ser patentemente desidioso no cumprimento dos deveres do cargo;
    5 – Proceder de modo incompatível com a honra dignidade e decoro de seu cargo”,

    Sr. Janot, como Titular da Ação por estar no Comando da PGR, passou dois mandatos sem cobrar o crime de responsabilidade que vem sendo cometido pelo Min. Fux., que agora por ter uma filha desembargadora no TJ do Rio de Janeiro esta IMPEDIDO de atuar no processo. Fux sentou encima da ADIN e com isso o Judiciario e Procuradores continuam a receber os SALARIOS INCONSTITUCIONAIS.
    Até quando?
    Mas agora José, parece que a PEDRA NO CAMINHO será a nova Procuradora RAQUEL DODGE.
    Será que o SENADO ou um destes senadores que querem definir os CRIMES DE RESPONSABILIDADE DOS JUIZES E PROMOTORES, teria culhão de propor isso?
    Alias caberia o impeachmente contra o proprio Janot, pois a mesma Lei do Ympeachment tambem reza no Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:
    – Processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;
    II processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade”…..

  8. sexta-feira, 18 de agosto de 2017 – 11:26 hs

    “Até que enfim uma mulher com fibra vai cortar na própria carne. Vai fazer o que esses corporativistas hipócritas elevados a 10ª potência não tiveram coragem nem culhões roxos de fazerem. O trabalho desses procuradores foi, é, e continuará sendo de suma importância para o País. Mas… Devagar com o andor que o santo é de barro. Ninguém está acima da lei. Ninguém!…” – Profº Celso Bonfim

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*