Diários Secretos | Fábio Campana

Diários Secretos

Do blog do Tupan:

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) pode decidir nesta quinta-feira (24) o futuro de dois ex-funcionários da Assembleia Legislativa. Cláudio Marques da Silva e José Ary Nassiff foram condenados em primeira instância, no caso que ficou conhecido como Diários Secretos. Segundo o Ministério Público do Paraná, a fraude gerou prejuízo de R$ 250 milhões. As informações são do G1.
Na primeira instância, os dois ex-diretores da Assembleia receberam penas que chegam a quase 19 anos de prisão. Eles foram condenados pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e lavagem de dinheiro. Ambos recorreram ao TJ-PR, pedindo para que as penas fossem revistas.
O recurso deles será julgado pelos desembargadores José Maurício Pinto de Almeida, Marcel Rotoli de Macedo e José Carlos Delacqua. Caso as condenações sejam mantidas, eles podem começar a cumprir as prisões, já que o Supremo Tribunal Federal (STF) passou a considerar possível a prisão de réus condenados em segunda instância.

Sem foro privilegiado

Diferente do processo aberto contra o deputado estadual Nelson Justus (DEM), que corre diretamente no TJ-PR, os dois ex-diretores não possuem foro privilegiado. Justus foi acusado pelo Ministério Público de comandar o esquema de contratação ilegal.

O caso foi descoberto por uma equipe de reportagem da RPC e do jornal Gazeta do Povo, em 2010. Segundo as matérias da série Diários Secretos, havia um esquema na Assembleia de contratação de funcionários fantasmas. As nomeações de comissionados eram publicadas em diários oficiais com circulação restrita.

Na época do escândalo, Justus era o presidente da Assembleia. Era ele quem assinava as nomeações suspeitas. O processo aberto contra ele só foi aceito pelos desembargadores em 2016 e ainda não foi julgado.


Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*