Auxílio-moradia para juízes | Fábio Campana

Auxílio-moradia para juízes

Com a palavra, José Renato Nalini, jurista, professor, escritor, magistrado, hoje secretário da Educação do Estado de São Paulo.
No jornal da Cultura, em outubro de 2014, enquanto era Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, o Dr. Nalini explicou sobre o que achava, ou acha não dá para saber, a respeito do auxílio-moradia.


10 comentários

  1. Roberto
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 15:05 hs

    É muita cara de pau e sem vergonhice dessa gente.
    Hoje, no Brasi,l está existindo uma total inversão de valores.
    Um trabalhador que ganha salário mínimo ou um pouco mais,
    não tem essas belezas de auxilio: moradia, terno, sapato, etc.
    Tem que viver com o que ganha, compras sua roupa de trabalho e pagar aluguel da casa onde mora e sujeitar ao atendimento médico do SUS. Esse sim está sujeito a depressão, síndrome de pânico e AVC.
    Agora, um juiz que ganha um salário de mais de R$ 30.000,00, se acha no direito de ter auxílio moradia, auxilio terno, sapato e outras vantagens a mais que lhes dá um ganho mensal acima dos R$ 50.000,00 reais. E o pior, temos que escutar esse sujeitinho cara de pau falar que foi uma manobra para burlar a lei. Vindo de uma pessoa que está em um cargo que é justamente para fazer as pessoas cumprirem a lei, fica difícil de engolir.
    Pior ainda é ter que pagar imposto para para pagar o salário desta figura e de outras tantas que tem os mesmos benefícios, não só no judiciário, como no executivo e legislativo.
    Sabem quando vai sobrar dinheiro realmente para investir nas necessidades básicas que o cidadão brasileiro precisa?
    Nunca !!!!!!!

  2. Mariana
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 15:34 hs

    “Farinha pouca, meu pirão primeiro” tem sido o lema de vida do Executivo, do Legislativo e do Judiciário.

  3. Jotinha
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 15:43 hs

    Mas o problema não é o salário do Juiz, do Procurador, do Promotor, isso é irrisório para a economia; o que pega é gasto com a instituição, muito auxiliares, mordomias por exemplo, acho até que um juiz trabalhador merece até salario maior; se comparar com os milhares de politicos que não necessita de formação nenhuma pelo país afora, a diferença é muito grande.

  4. terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 15:52 hs

    e tem mais Roberto, vão vender estatais agora que o P.T. atolou a vaca, e esse porrinha de “Temi”, vai gastar tudo com salário desses lixos e comprando voto pra conseguir algum objetivo no governinho dele !

  5. rapariga
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 17:42 hs

    Traidores da pátria!

  6. Jaferrer
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 18:06 hs

    Se o funcionário público, aqui do Paraná, recebe progressão de carreira por mérito ou tempo de serviço, todo mundo cai de pau. Privilégio!, dizem uns e o funcionalismo leva a pecha de ter, em geral, benefícios imorais. É bom que estas verdades sejam expostas para que se veja que, efetivamente, tem privilégios neste país. E olha que ainda não se falou das vantagens no legislativo, aí sim a imoralidade impera.

  7. Parreiras Rodrigues
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 20:26 hs

    É o c* da anta!

  8. Terere
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 21:45 hs

    Falou bem…se o Judiciario funcionasse bem…

  9. Tania Closs
    quarta-feira, 23 de agosto de 2017 – 7:51 hs

    Vamos jogar nesse mesmo balaio os custos dos políticos??
    Pq só os magistrados ??
    Ouvi algo sobre uma campanha de desmoralizar o judiciário, e a classe política???

  10. PCR
    quarta-feira, 23 de agosto de 2017 – 11:03 hs

    KKKKKK. Esse sujeito não tem nem vergonha na cara em dizer que o Judiciário está burlando a lei para um aumento salarial disfarçado, ainda mais, no exercício da função à época. É duro de engolir né. R$ 4.377,00, por mês, de auxílio moradia, para que juízes e promotores de justiça morem na própria residência deles. Isso é canalhice. Isso é dar um tapa na cara da sociedade brasileira que paga imposto. Quem paga imposto neste país é trouxa.

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*