A privatização da Eletrobrás e as contas de luz | Fábio Campana

A privatização da Eletrobrás e as contas de luz

“Esperamos que, com a redução de custos e com os ganhos de eficiência no processo, a conta de luz fique mais barata no médio prazo. A população busca por um Estado, não digo grande nem pequeno, mas suficiente. Outros países desestatizaram suas empresas energéticas e não tiveram problemas com suprimento. O que precisamos ter é uma agência reguladora forte, com um mercado regulado que permite cobrar qualidade com preço adequado ao consumidor”. – Ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, em entrevista coletiva hoje de manhã.

“Vender a Eletrobras é abrir mão da segurança energética. Como ocorreu em 2001, no governo FHC (Fernando Henrique Cardoso), significa deixar o país sujeito a apagões. O resultado é um só: o consumidor vai pagar uma conta de luz estratosférica por uma energia que não terá fornecimento garantido”. – Ex-presidente Dilma Rousseff em seu perfil no Twitter.


2 comentários

  1. Doutor Prolegômeno
    terça-feira, 22 de agosto de 2017 – 13:07 hs

    Tudo papo furado. Essas empresas não pertencem ao povo, pertencem ao Estado, que não se confundem. O Estado é comandado por políticos e funcionários públicos que só pensam no povo nas eleições e na cobrança de impostos. De resto, essas empresas são cabides de empregos e moedas de troca política. Enquanto forem estatais funcionarão assim, agora e sempre. A corrupção é diretamente proporcional ao tamanho do Estado e suas empresas. Podem colocar todos os corruptos na cadeia, assim como podem colocar todos os criminosos na cadeia. Enquanto o lucro do crime compensar o risco, vai existir crime. É simples e aritmético. A corrupção só será eliminada ou perto disso, se o Estado for reduzido ao seu mínimo minimorum. O resto é balela e conversa pra boi dormir.

  2. João Bruning
    quarta-feira, 23 de agosto de 2017 – 9:08 hs

    O preço da energia tem a ver com a ANEEL, e não se a empresa é privada ou pública.
    O que não deve ser vendido ou repassado a iniciativa privada são usinas hidrelétricas, pois quando uma hidrelétrica já está em funcionamento, é só lucro!
    Nos governos LuLa e outros a Eletrobras e outras empresas geraram lucros tamanhos que o dinheiro foi utilizada para realizar o superavit primário. Só ver a história recente. Agora com a Dilma as empresas ditas públicas começaram a dar altos prejuizos, aí falam em vender.
    A Eletrobras é um elefante branco e de pedra. Quem gera riqueza para o Brasil são suas subsidiárias, exceto as Distribuidoras Federais que o governo Dilma exigiu que a Eletrobras encampasse! Absurdo sem limites!

Deixe seu comentário:

Campos obrigatórios estão marcados com *

*

*